Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Campus Party

A Verdadeira Experiência Tecnológica

Interação entre Campuseiros (Imagem: Divulgação)

Todos os dias somos apresentados às inovações tecnológicas que mudam (ou pretendem mudar) nossas vidas. A mídia, os amigos, blogs, vlogs, podcasts estão sempre sugerindo o novo gadget, brinquedo, app, ou startup que vai mudar o mundo. A tecnologia está no centro das mudanças! Será que vivemos em um mundo cada vez mais movido pela tecnologia?

Conversando com um amigo outro dia ouvi: “como será que vivíamos sem celular naqueles dias?” Estamos cercados de soluções de tecnologia que mudaram radicalmente como trabalhamos, nos comunicamos e nos relacionamos. É espantoso que há poucos anos a maioria das inovações de hoje nem existiam!

Se é a tecnologia que nos ajuda a avançar, devemos estar caminhando para um mundo melhor, mais feliz, mais igualitário. Mas se é assim… Por que não estamos encontrando o pote de ouro no fim desse arco-íris?

A realidade é que, diariamente, parecemos estar mais vulneráveis. Quanto mais facilidades e produtividade temos em nossas vidas, mais proliferam ataques e golpes por pessoas mal intencionadas. Quanto mais nos abrimos para as maravilhas tecnológicas da comunicação instantânea, mais somos bombardeados com informações falsas que ajudamos a proliferar sem nem pensar. Cada vez que a tecnologia nos ajuda a ser mais inclusivos e livres, mais criamos barreiras para a livre expressão de ideias. Quanto mais a tecnologia ajuda a reduzir as diferenças e democratizar as oportunidades, mais força damos àqueles que buscam exacerbar as diferenças e menos oportunidades temos de celebrar a diversidade de pensamento.

Claramente a tecnologia sozinha não é a solução para um futuro melhor. Esquecemos que a tecnologia é apenas uma ferramenta. Por mais que a ficção científica tenha nos apresentado um futuro onde a tecnologia revolucionaria o mundo, a verdadeira revolução vem das pessoas e dos relacionamentos.

As verdadeiras conquistas da humanidade vem do relacionamento entre as pessoas. Começa pela valorização das crianças, para que elas aprendam a se respeitar e saibam valorizar sua própria vida e de sua família. Passa pelo fortalecimento dos laços familiares, para que possamos aprender a criar e manter relacionamentos saudáveis. Continua dentro das escolas e universidades, onde deveríamos fomentar a diversidade de pensamentos, e precisamos sim aprender a discordar sem nos odiarmos. Chega nas empresas, onde podemos promover a dignidade humana, a competição saudável, o respeito pelo cliente em vez do lucro a todo custo. As verdadeiras conquistas humanas focam na construção de uma sociedade ética, responsável e moral.

E a tecnologia? Como toda ferramenta, pode ser utilizada para construir ou destruir…  Seu potencial de construir é gigantesco, e apesar de não ser o objetivo ou a razão dessa revolução, a tecnologia é uma importante aliada. Sempre que empregamos a tecnologia para favorecer o relacionamento entre as pessoas, promover a comunicação e o diálogo, estamos acelerando nossa evolução como sociedade.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

É por isso que a Campus Party, “a maior experiência tecnológica do mundo”,  é focada nas pessoas, e não na tecnologia. A tecnologia é apenas a razão pela qual as pessoas se encontram. O verdadeiro impacto que essa festa da tecnologia tem no país e no mundo vem das pessoas que participam, e dos relacionamentos criados durante e após o evento.

Vista de fora, pelas fotos e flashes na televisão, a Campus Party é mesmo um enorme celeiro de tecnologia, com robôs, videogames e simuladores de última geração. Um mar de computadores, monitores, celulares, tablets e todos os gizmos imagináveis.

De dentro, a Campus Party é um enorme ponto de encontro de pessoas. As conversas nos corredores, a troca de ideias com palestrantes e desconhecidos, é assim que acontece aquele momento do “ahá!”, quando absorvemos uma nova ideia e sabemos que, a partir daí, nada será como antes.

Sempre que valorizamos a tecnologia e somente a tecnologia, valorizamos a ferramenta. É fundamental focar nas pessoas, nos relacionamentos.  Experiências tecnológicas como a Campus Party nos apontam o caminho de como podemos valorizar as pessoas, para buscar um mundo melhor. Muito além do assistir e aprender, a Campus Party é o local de participar e experimentar. É assim que se criam relacionamentos, e se muda o mundo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

bruno-souzaSobre o autor
Conhecido como “Javaman”, Bruno Souza acredita que os desenvolvedores de software têm um grande impacto no mundo e são responsáveis por melhorar o planeta. É criador do Projeto Code4.Life (https://code4.life) que fornece dicas de carreira para desenvolvedores, dedicando sua vida a auxiliar desenvolvedores ao redor do mundo a alcançarem o seu verdadeiro potencial. Como Embaixador da Campus Party, Bruno trabalha para promover o relacionamento entre os participantes do evento.






Você pode gostar