Brasília

STF anula condenação de Arruda, que continua inelegível

Na época do escândalo, o político alegou que o dinheiro seria utilizado para comprar panetones para sua base eleitoral

O ministro André Mendonça, do Supremo Tribunal Federal (STF), anulou, na última sexta-feira (20), a condenação do ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda (PL) por falsidade ideológica em recibos.

O ministro considerou que o caso deve ser analisado pela Justiça Eleitoral, já que, caso tenha ocorrido falsidade ideológica na documentação, um dos objetivos do ex-governador era manter a elegibilidade para concorrer à reeleição.

A documentação em questão são recibos que justificaram o recebimento de R$ 50 mil de Durval Barbosa a Arruda. Na época, o político alegou que o dinheiro seria utilizado para comprar panetones para sua base eleitoral.

Essa é apenas uma das 13 ações em que Arruda responde na Justiça especializada. Mesmo com a anulação, o ex-governador continua inelegível.

No habeas corpus apresentado, a defesa de Arruda alega que todos os crimes que o político responde são de natureza eleitoral e que, por isso, eles devem ser julgados na Justiça Eleitoral.

Com o pedido, Arruda tentava conquistar sua elegibilidade, já que, caso tramitasse em tribunal eleitoral, as decisões judiciais anteriores seriam suspensas. Ainda assim, Mendonça afirmou na decisão que o requerimento não tinha “viabilidade para estender o reconhecimento da competência da Justiça Eleitoral às ações penais que tratam diretamente da chamada Operação Caixa de Pandora”.

Essa condenação faz parte da Operação Caixa de Pandora, onde Arruda foi condenado a 3 anos, 10 meses e 20 dias de prisão em regime semiaberto

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Matéria publicada em 21 de maio de 2022 15:20

Redação Jornal de Brasília

Notícias Recentes

Movimentos contra Bolsonaro decidem não disputar 7 de setembro com ele

Em 2021, eles se juntaram ao tradicional Grito dos Excluídos e fizeram manifestações contra o presidente na data

10 de agosto de 2022

Ministro do TSE manda YouTube apagar discurso em que Lula chama Bolsonaro de genocida

O magistrado considerou que o discurso pode ter configurado "propaganda eleitoral extemporânea negativa"

10 de agosto de 2022

DF é condenado a indenizar aluno que sofreu reação alérgica após ingerir alimento

A decisão é do juiz da 6ª Vara da Fazenda Pública do DF que concluiu que não foram observados os…

10 de agosto de 2022

TJDFT suspende expediente nesta quinta (11)

Na data em questão é comemorado no Brasil o Dia do Magistrado, Dia do Advogado e Dia da Criação dos…

10 de agosto de 2022

Juiz autoriza prisão de agente penal que matou petista a tiros em Foz do Iguaçu

Guaranho recebeu alta nesta quarta-feira, 8, mas ainda não havia sido transferido para o presídio

10 de agosto de 2022

Servidores da Abin criticam veto de Bolsonaro ao reajuste para policiais na LDO

De acordo com a sugestão de veto do Ministério da Economia, a proposta original da do governo para a LDO…

10 de agosto de 2022

This website uses cookies.