Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasília

Projeto leva saúde oftalmológica e atendimento psicossocial a jovens da rede pública

A ação teve início em dezembro de 2021 e já alcançou mais de 12 mil jovens de 15 a 29 anos do Ensino Médio das escolas públicas e egressos do EJA

Foto|Divulgação

Idealizado pelo Instituto Brasil Adentro para levar saúde oftalmológica e atendimento psicossocial, o Projeto Ver Melhor Educa + buscar dar perspectivas de um futuro de esperança a jovens estudantes da rede de ensino público do Distrito Federal. A ação teve início em dezembro de 2021 e já alcançou mais de 12 mil jovens de 15 a 29 anos do Ensino Médio das escolas públicas e egressos do EJA, contemplando as Regiões Administrativas do Distrito Federal como São Sebastião, Gama, Samambaia, Santa Maria e Planaltina. O projeto, que será concluído em 1º de julho, mas ainda tem muita qualidade de vida a compartilhar, agora está em Ceilândia, atuando em Centros Educacionais e Centros de ensino Médio como o CED 07, CED 11, CEM 02, CEM 03, CEM 04 e CEM 12, chegando a cerca de 5800 estudantes.  A previsão é de que, pelo menos, 20 escolas, e 15 mil alunos serão beneficiadas pelo Ver Melhor Educa + até o final do projeto.

“Enxergar bem vai além da saúde. É essencial para que esses jovens possam, literalmente, enxergar mais longe, tirar o melhor proveito dos estudos e avistar maiores oportunidades de trabalho e renda, favorecendo sua inclusão produtiva”, explica Lucas Calazans, presidente do Instituto.  

Acordada as visitas diretamente às escolas, a equipe entra em ação para organizar tudo, de forma a afetar minimamente a rotina escolar. Mediante cadastramento, e sempre com o assentimento dos alunos, são oferecidos, ao longo de três dias (a depender da quantidade de alunos de cada escola), encontros de sensibilização, acolhimento e saúde. São quatro atividades principais: palestra sobre Saúde Mental; atendimento psicossocial e construção de Plano de Futuro; mutirão de atendimentos com triagem para acuidade visual e, por fim, consulta com médico oftalmologista e doação de óculos de grau, nos casos de indicação.

O projeto conta com tecnologia para confeccionar os óculos imediatamente, garantindo que o aluno já vá para casa enxergando melhor! Já em casos de detecção de condições mais complexas, como glaucoma, catarata e retinopatia diabética, os alunos são encaminhados ao SUS.

Foto|Divulgação

Até o momento, 19 escolas do Distrito Federal receberam o Ver Melhor Educa +. Do universo de 15 mil atendimentos a serem ofertados pelo Projeto, 12.300 já foram cadastrados. Após a triagem, mais de 2.600 alunos passaram por consultas e, desses, mais de 2.300 já estão usando os seus óculos. Uma das beneficiadas foi a jovem Natália Rodrigues que, recentemente, havia pago R$385,00 por um par de óculos aviados, a partir apenas de exames de acuidade visual e não consulta oftalmológica. “Quando eu vi a ótica montada na escola já pensei: ‘vou ter que me endividar de novo. Na minha cabeça seria tudo pago, mas é tudo de graça, e com exames completos e muito bons. Na escola, muita gente tem um problema de vista e aqui a gente pôde identificar”, compartilhou, já de posse de seus novos e estilosos óculos, com armações grandes, arredondadas e aros vermelhos.

As palestras sobre Saúde Mental, e os atendimentos individuais, têm tido boa aceitação e alcançaram, até o momento, 3.917 jovens. A metodologia desta parte do projeto contempla três pilares: identificar, sensibilizar e despertar, respectivamente. Em IDENTIFICAR, é feito o mapeamento do perfil socioeconômico dos jovens para a construção da cartografia social, um importante instrumento para apoiar políticas públicas para juventude. No SENSIBILIZAR, são realizadas palestras, além dos atendimentos psicossociais por equipe formada por psicólogos, pedagogos e assistente social. Em DESPERTAR, inicia-se a construção do Plano de Futuro, onde os jovens respondem a um questionário e são estimulados a traçar um plano de ação para atingir suas metas, fazendo um planejamento a curto prazo com o objetivo de causar transformação de atitude e trazer novas esperanças para o futuro.

Foto|Divulgação

Apesar do pouco tempo de convívio entre a equipe multidisciplinar e os alunos, o encontro tem tocado os jovens, principalmente no sentido de um despertar de consciência. Pertencentes, em grande parte, a uma realidade repleta de vulnerabilidades e carências, acrescida de uma grande carga de estresse acumulada durante a pandemia, eles têm tido a oportunidade de tocar em um assunto muitas vezes dolorido e temido para a maioria deles: o futuro. “Estamos muito satisfeitos com as trocas e resultados que temos presenciado. Acreditamos que é um passo importante para a construção de uma geração saudável emocionalmente, com os jovens aprendendo a lidar com os próprios sentimentos e inseguranças, preparando-se para seguir adiante, com planejamento e esperança. Eles têm o direito de sonhar e precisam acreditar nisso”, afirma Glaucia Fullana, coordenadora pedagógica do Instituto Brasil Adentro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O projeto Ver Melhor Educa +, Uma janela para Inclusão Produtiva, é uma parceria com a Secretaria Nacional de Juventude, do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, por meio do Termo de Fomento nº 905559/2020.








Você pode gostar