Brasília

Profissionais da saúde passam por treinamento técnico para vacinação

Objetivo da ação é preparar quem for aplicar as doses, explicar efeitos adversos e formas de registro no sistema

Escola Parque Anísio Teixeira, Ceilândia, Brasília, DF, Brasil 23/5/2017 Foto: Andre Borges/Agência Brasília. A três dias do fim da campanha de vacinação contra a gripe, 419.258 pessoas se imunizaram no Distrito Federal, de acordo com a Secretaria de Saúde. Os dados se referem a segunda-feira (22) e correspondem a 61% dos 687.155 do público-alvo apto a receber a dose, que barra a contaminação pelo vírus H1N1. Nesta terça-feira (23), profissionais da educação das redes pública e privada do DF podem se vacinar contra a gripe em escolas. A medida visa ampliar a adesão do grupo à campanha de imunização, que se encerra na sexta-feira (26).

Nesta segunda-feira (18), profssionais da saúde passaram por um treinamento técnico para a Campanha Nacional de Vacinação contra a Covid-19. O intuito é tirar dúvidas sobre a aplicação das doses, além de cada tipo de vacina disponível, a conservação adequada, os efeitos adversos e as formas de registro no sistema.

A capacitação ocorreu durante todo o dia e contou com a presença de 78 profissionais da Região de Saúde Central, que depois repassarão o conhecimento para as outras regiões de Saúde.

“Essa primeira remessa de vacinas é da Coronavac. Então, é uma vacina armazenada de 2° a 8° graus, uma temperatura a que os profissionais já estão habituados, pois é a mesma de outros imunobiológicos disponíveis na rede”, explica a gerente de Imunização da Secretaria de Saúde, Renata Brandão.

O público-alvo da capacitação são os responsáveis técnicos das salas de vacinas da rede pública do Distrito Federal, supervisores das Unidades Básicas de Saúde (UBSs), chefes dos Núcleos de Vigilância Epidemiológica e Imunização das regiões de saúde, chefes dos Núcleos Hospitalares de Epidemiologia dos hospitais regionais do DF, representante das vigilâncias epidemiológicas do Instituto de Gestão Estratégica de Saúde (Iges-DF), Unidades Referência Distrital (URDs) e hospitais militares do DF.

De acordo com Renata, o treinamento é de extrema importância, pois os profissionais que aplicarão a vacina precisam explicar todos os possíveis efeitos adversos para a população, além de realizar o preenchimento do registro no sistema de maneira correta, pois ele será necessário para consulta quando o cidadão for tomar a segunda dose da vacina.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mudanças nos grupos prioritários

Neste primeiro momento, o Ministério da Saúde (MS) enviou ao Distrito Federal somente 106.160 doses da vacina Coronavac, por conta disso, o cronograma da primeira fase foi todo alterado pelo próprio MS e por isso, os idosos acima de 75 anos saíram do grupo prioritário da primeira fase.

Os grupos prioritários da primeira fase são somente: idosos a partir de 60 anos e pessoas acima de 18 anos com deficiência residentes em instituições de longa permanência (institucionalizados), população indígena e profissionais da saúde que atuam na linha de frente dos atendimentos à Covid-19.

“A Secretaria de Saúde já trabalhava com a possibilidade de vir menos doses do que o esperado e por isso, já havia sido feito um plano de ativação de cada fase priorizando os grupos de acordo com as doses. À medida que mais doses forem disponibilizadas ao Distrito Federal, mais profissionais e grupos prioritários serão vacinados”, informa Renata.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Plano de vacinação

Segundo o subsecretário de Atenção Integral à Saúde (Sais), Alexandre Garcia, entre os profissionais da saúde serão priorizados neste momento, de acordo com o quantitativo de doses, os da Atenção Pré-Hospitalar (Samu e Corpo de Bombeiros que trabalham no resgate), profissionais que atuam dentro do pronto-socorro, UTI e enfermarias para Covid-19 tanto da rede pública como da privada e profissionais da Atenção Primária que atendem pacientes com suspeita de Covid-19.

“Infelizmente não recebemos o quantitativo suficiente para vacinar todos os profissionais de saúde. No entanto, à medida que forem chegando mais doses, todos serão vacinados”, esclareceu Garcia.

As doses serão aplicadas dentro das instituições de longa permanência e serão montadas salas de vacinas nos hospitais regionais da Asa Norte (Hran), de Sobradinho (HRS), de Planaltina (HRP), Ceilândia (HRC), Brazlândia (HRBz), Samambaia (HRSam), Taguatinga (HRT), Gama, (HRG), Guará (HRGu), Santa Maria (HRSM), no Hospital de Base (HBDF), Hospital Universitário de Brasília (HUB), Hospital Materno Infantil de Brasília (Hmib), Hospital da Região Leste (HRL), Hospital de Base e Hospital de Apoio de Brasília (HAB).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As informações são da Agência Brasília






Você pode gostar