Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasília

PCDF prende suspeitos de estelionato contra servidores

Suspeitos ligavam para vítimas, marcavam encontro e acessavam o celular delas para abrir apps de banco e transferir dinheiro sem que elas percebessem. Três pessoas foram presas

Por Willian Matos 25/02/2021 8h54
Foto: Divulgação/PCDF

A Polícia Civil (PCDF) realizou na quarta-feira (24) uma operação contra um grupo especializado em estelionatos. Segundo investigações, os autores trabalhavam em uma empresa chamada Diamond Assistência Pessoal e procuravam funcionários públicos endividados para oferecer falsas ofertas de refinanciamento.

Os suspeitos também miravam pessoas que haviam feito financiamentos. Eles ligavam para as vítimas se passando por atendentes de banco, diziam que a instituição havia cobrado dinheiro a mais no empréstimo e que era preciso fazer uma devolução.

Um dos casos é investigado pela 35ª Delegacia de Polícia (Sobradinho II). Uma mulher de 51 anos recebeu uma ligação de uma pessoa que afirmou ser funcionária do BRB. Essa pessoa disse que a mulher teria dinheiro a receber e agendou uma visita na última quarta (24) em um edifício na Asa Sul.

A mulher desconfiava que se tratava de um golpe e acionou a 35ª DP. Os policiais, então, notaram que já haviam 12 ocorrências registradas contra o esquema criminoso.

Os golpistas atuavam da seguinte forma: ao chegar no local marcado pelo telefone, o acusado dava um jeito de apanhar o celular da vítima, abria os apps de banco sem que elas percebessem e transferiam dinheiro para uma conta pertencente ao grupo. Veja:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
Roteiro utilizado pelos criminosos. Foto: Divulgação/PCDF

Na quinta (24), no dia em que o grupo iria praticar o golpe contra a mulher citada acima, policiais foram até o ponto de encontro e prenderam três pessoas, sendo duas mulheres, de 27 e 31 anos, e um homem de 38 anos.

O trio preso pode ser condenado pelos crimes de estelionato, sujeito a pena de um a cinco anos de prisão, e associação criminosa, cuja pena vai de um a três anos de reclusão. As investigações prosseguem.

A reportagem tentou contato por telefone com a Diamond Assistência Pessoal, mas não obteve retorno até a última atualização deste texto. O espaço está aberto para manifestações.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar