Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasília

Morre Very Well, ex-servidor que trabalhou para 12 presidentes no Planalto

Em seu serviço para o Planalto, Very Well cumprimentou todos os presidentes do Brasil de Jango a Dilma Rousseff

Por Lucas Neiva 13/05/2021 6h29

Vítima de um ataque cardíaco, José Henrique Nazareth, conhecido como “Very Well” pelos colegas, morreu aos 86 anos de idade. Very Well foi um dos mais ilustres servidores no Palácio do Planalto, já tendo cumprimentado e testemunhado a história de todos os presidentes da república entre os anos de 1961 a 2013, anos em que esteve sempre à serviço da presidência.

Seu filho Leonardo Faro, de 49 anos, conta que Very Well nasceu em Brasópolis, pequeno município no sul de Minas Gerais. Partiu ainda jovem para o Rio de Janeiro a fim de “desvendar a capital e seguir seu sonho de ser servidor público”. Em 1960, a capital foi transferida para Brasília, onde Very Well se estabeleceu na recém construída cidade do Cruzeiro. “O Cruzeiro era na época um bairro de servidores, e ele gostou muito de lá. Era um lugar pacato e pequeno, ele viveu por lá a vida inteira”, conta Leonardo.

Seu primeiro cargo na presidência foi como assessor de gabinete de João Goulart, o presidente preferido entre todos os que ele conheceu. “Eles dois tinham um contato muito próximo, e acabou gostando muito dele tanto como presidente quanto como pessoa. (…) Também gostava muito da Primeira Dama Theresa Goulart. Ele sempre falava que ela era muito bonita, muito simpática”, narra seu filho.

Very Well passou então a adotar o ritual de cumprimentar todos os presidentes com quem trabalhou no Planalto. Em 2013, no dia de sua despedida antes de se aposentar, cumprimentou pela última vez um chefe de Estado. Desta vez, pela primeira e única vez na vida cumprimentava uma mulher a ocupar o cargo, a presidente Dilma Rousseff.

Paixão pela imprensa

Very Well assumiu diversas funções ao longo de sua carreira do Planalto, mas foi no Comitê de Imprensa que encontrou sua paixão enquanto servidor. “Foi do querido Very Well aquela que talvez seja a melhor definição da nossa função de repórteres. Uma vez, ele foi entrevistado e disse que éramos ‘cães de Lázaro’, o dia inteiro ali no Palácio do Planalto à espera de uma migalha. (…) Conhecer caras como o querido Very é uma daquelas coisas que fazem a experiência da vida valer a pena”, relembra o jornalista Rudolfo Lago.

Seu bom humor e a postura descontraída à serviço do comitê fez com que José conquistasse a admiração tanto dos colegas quanto dos jornalistas empenhados em cobrir a presidência. “ Foi dos jornalistas com quem conviveu que nasceu o apelido “Very Well”. “Tinha muitas autoridades internacionais no palácio, e ele sempre chamava para tomar café antes da audiência. Como ele chamava sempre em inglês, os jornalistas criaram um apelido em inglês que lembrava da sua alegria”, explica Leonardo Faro.

Aposentadoria e despedida

Quando se aposentou em 2013, Very Well passou a se dedicar a cuidar de sua família. “Sempre muito otimista, nunca reclamava. Alegre, adorava ouvir música. Sempre gostava de dançar, estava sempre sorrindo”, conta Leonardo. A religião também sempre teve um papel central na sua vida, frequentando constantemente a Igreja de Nossa Senhora das Dores.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Sua saúde só começou a se deteriorar a partir da última quarta-feira (5), quando precisou passar por uma cirurgia de emergência por conta de um ataque cardíaco. “Cinco dias depois, apenas 30% do coração dele ainda funcionava. Ele ficou muito fraco, precisou ser entubado mas sofreu uma parada cardíaca no mesmo dia. O coração dele não aguentou”, narra seu filho. A data de 13 de maio marcou uma coincidência enorme em sua morte, pois é o mesmo dia da comemoração de Nossa Senhora de Fátima, à quem Very Well era adepto.






Você pode gostar