Brasília

Greve dos assistentes sociais já dura dois meses e problemas se agravam

Por Arquivo Geral 08/05/2018 9h36
Kléber Lima

Rafaella Panceri
[email protected]

Servidores da assistência social do Distrito Federal estão em greve desde março e pedem o pagamento de uma parcela do reajuste salarial, concedido em 2011. Sete anos depois da negociação, a situação não se resolve por falta de verba, de acordo com a gestão atual.

Além de exigirem o pagamento do reajuste, os servidores denunciam precariedade na estrutura dos centros de assistência — no Centro de Convivência de São Sebastião, a energia está cortada há 40 dias. Outra reivindicação da categoria é a convocação de novos concursos públicos. Segundo o Sindicato dos Servidores da Assistência Social (Sindsasc), o segmento terá, ainda neste ano, déficit de pessoal próximo de 80%, devido a aposentadorias.

Enquanto o embate entre servidores e GDF não se resolve, quem sofre é a população. No Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) de São Sebastião, apenas funcionários lotados em cargo comissionado trabalham com 100% do efetivo. Os servidores do GDF dizem respeitar a greve legal e manter 30% dos funcionários nos postos de trabalho. Ainda assim, os centros só solicitam o benefício mais urgente — auxílio por morte.

Sem auxílio

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Moradora da Vila Nova (São Sebastião), Camila Nunes de Siqueira, 26, depende de benefícios socioassistenciais solicitados pela equipe do CRAS. “A gente liga lá e quem atende são os vigilantes, dizendo que estão em greve. O auxílio vulnerabilidade não caiu na conta até hoje por causa dessa greve”, reclama.

Para a mulher, que está desempregada, os auxílios são necessários para sobreviver. “Ninguém enriquece com Bolsa Família”, defende-se, em referência a quem é contra a concessão do benefício. “É uma ajuda temporária. Não fosse isso, eu já teria perdido os meus filhos. Muita gente me acusa de viver de esmolas, mas por enquanto é tudo que eu tenho”, desabafa.

Kléber Lima

Grávida do quarto filho no ano passado, Camila teve descolamento de placenta duas vezes, alega ter sofrido abuso sexual do patrão e foi afastada do trabalho por motivos de saúde. Depois disso, entrou em depressão. “O pessoal do CRAS me ajudou a superar isso. Antes, não conseguia nem abraçar meus filhos”, conta. Antes que a greve começasse, a equipe avisou que os benefícios ficariam suspensos. “Disseram que demoraria para chegar na conta. Esse problema de verba é antigo”, opina.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Falta energia elétrica

O Centro de Convivência de São Sebastião faz parte da atuação da assistência social na cidade, mas está sem luz há cerca de 45 dias. “Lá, crianças e idosos participam de oficinas e os adolescentes podem entrar no programa social Caminhos da Cidadania”, explica o presidente do Sindsasc. Depois de uma enchente que alagou o espaço, a luz não voltou.

O problema coincidiu com uma disputa antiga entre a Administração Regional de São Sebastião e a Secretaria de Estado do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos (SEDESTMIDH). “O prédio foi cedido pela Administração ao CRAS, mas quem deve pagar a conta de luz, no valor de R$ 260, é a Secretaria. Se isso não se resolver e a greve acabar, estaremos sem acesso à internet, por exemplo”, afirma a servidora Eliza da Costa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A pedagoga Fernanda Martins, 58, trabalha no Centro de Convivência desde a inauguração, em fevereiro de 2017. “A estrutura é novíssima e foi entregue com infiltrações, piso manchado. Claramente foi construída por leigos. Por causa de um declive, toda vez que chove entra água. Os ralos não resolvem e a água da rua entra aqui”, relata.

Assistência social em números

» O serviço atende 100 mil famílias do DF, de acordo com o Sindsasc.

» A categoria conta com 1.400 servidores, entre auxiliares, técnicos e especialistas (assistentes sociais, psicólogos e pedagogos).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Versão Oficial

Em nota, a Secretaria do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial  e Direitos Humanos (Sedestmidh) reconheceu que “os serviços prestados pelos equipamentos estão comprometidos, apesar dos esforços da gestão em manter nos complexos”. “A pasta ressalta que os atendimentos emergenciais e os agendamentos para atualização ou inscrição no Cadastro Único estão sendo mantidos e atendidos na medida do possível”, conclui.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE





Você pode gostar