Brasília

Em ofício, Secretário Adjunto pede a exoneração de Lucas Seixas ao diretor do IGES-DF

De acordo com denúncia oferecida pelo Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), o médico foi considerado culpado pela morte da paciente Jaqueline Ferreira de Almeida

Após sofrer condenação em segunda instância pelo crime de homicídio culposo, o superintendente do HBDF Lucas Seixas Doca Junior pode ser exonerado nesta segunda-feira (18) pela Secretaria de Estado de Saúde Do Distrito Federal (SES-DF).

De acordo com denúncia oferecida pelo Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), o médico foi considerado culpado pela morte da paciente Jaqueline Ferreira de Almeida. A mulher morreu após ser submetida a endoscopia realizada pelo profissional em outubro de 2016. À época, a vítima tinha 32 anos.

Em ofício nº 11/2021, o Secretário Adjunto de Assistência à Saúde, Petrus Leonardo Barron Sanchez, ao Diretor-presidente do Instituto de Gestão Estratégica do Distrito Federal – IGES-DF, Paulo Ricardo Silva, lembra que “ainda que de livre nomeação, não está isento de atendimento às normas legais quanto aos requisitos para sua designação” e pede a exoneração do superintendente.

“Firme em tais razões e fundamentos de Direito, opina-se pela exoneração do Sr. Lucas
Seixas Doca Junior do cargo público que ocupa, primando-se pela reputação ilibada àquele que vier a
ocupá-lo”, diz parte do ofício. Confira:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar