Brasília

Crianças longe das escolas geram dano ao combate à violência sexual, explica delegada

Ela informa que a DPCA recebe um número significativo de denúncias por meio das escolas e também dos conselhos tutelares

17/5/2017- Brasília, DF, Brasil- As instituições de acolhimento abrigam cerca de 400 crianças e adolescentes no Distrito Federal. O dado é da Secretaria do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos, que promove ações para minimizar o impacto do abandono, em ambiente dotado de boas condições. Todas as entidades que amparam esses jovens recebem orientações pedagógicas e metodológicas, repassados pela equipe da pasta, cuja prestação de serviços não só atende crianças e adolescentes à espera de um lar adotivo, como também jovens afastados provisoriamente do núcleo familiar. Foto: Andre Borges/Agência Brasília

Brenna Farias
Jornal de Brasília

A delegada de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), Ana Cristina Melo Santiago, lamenta o afastamento dos mais jovens da sala de aula. Ela explica que é comum haver a revelação da violência para uma pessoa de confiança, como um profissional da rede de educação. “Foi um grande prejuízo o fechamento da escola e a falta de acesso desses alunos a esses espaços, que são lugares em que eles se sentem protegidos e fazem as denúncias”, revela. Ela informa que a DPCA recebe um número significativo de denúncias por meio das escolas e também dos conselhos tutelares, órgãos públicos responsáveis por zelarem pelos direitos das crianças e adolescentes.

Faça contato com a delegacia, se precisar

Durante o período de janeiro a setembro de 2020, a cada 27 horas, um vulnerável sofreu estupro no Distrito Federal. Apesar dos números, houve uma queda de 31,5% nas denúncias em comparação ao mesmo período do ano anterior, segundo dados da Secretaria de Segurança Pública. Um motivo pode ser a perda do contato com os profissionais de educação.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Dos 243 casos de estupro à vulneráveis notificados, 192 ocorreram dentro de residências, 12 em local ermo (solitário) ou via pública, 4 no interior de comércios ou casa abrigo, 4 no interior de veículos, 1 em escola e 30 não foram informados. A delegada explica que ao falar de abuso sexual contra vulneráveis é preciso tirar do imaginário o padrão de autor desconhecido em um lugar escuro. A vítima costuma ter uma relação de confiança, proximidade e afeto com o agressor.

“É um abuso que vai acontecendo de forma gradual e crescente. Muitas vezes ele nem chega à conjunção carnal propriamente dita, que é o contato dos órgãos genitais”, explica a delegada.

Interrupção das aulas nas escolas representa prejuízo no levantamento de denúncias sobre violência sexual

Longe das escolas, perigo em casa

Duzentos e quarenta e nove vítimas são do sexo feminino e 47 do sexo masculino, totalizando 296. A diferença entre o número de casos e o número de vítimas acontece porque em 45 ocorrências houve mais de uma vítima. Foram identificados 79% dos autores, sendo 94,3% do sexo masculino e 5,7% do sexo feminino. “Geralmente são pessoas próximas, um parente, um primo, um padrasto, um tio, sempre alguém da convivência”, diz o conselheiro tutelar Eugênio do Santos Silva Couto, 58 anos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Conforme artigo 217-A do Código Penal, o estupro de vulnerável consiste na prática de conjunção carnal ou outro ato libidinoso com menor de 14 anos ou contra pessoa que, por enfermidade ou deficiência mental, não tem o necessário discernimento para a prática do ato, ou que, por qualquer outra causa, não pode oferecer resistência.

Couto diz que devido à pandemia e ao isolamento social, o Conselho Tutelar de Sobradinho 1 deixou de receber muitas denúncias dessa natureza por meio das escolas. As denúncias de abuso estão chegando pela própria central de denúncias, o disque 100.

“Esse ano nós tivemos dificuldades, pela questão da pandemia. Nosso horário de atendimento foi reduzido, não tivemos muito contato com as escolas no sentido de ir e discutir”, afirma.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conselheiro explica que tem acontecido encontros com órgãos que fazem parte da rede de proteção para discutir situações que incluem o abuso sexual contra crianças e adolescentes.

Em nota, a Secretaria de Educação do Distrito Federal (SEEDF) informa que orienta todas as suas unidades escolares a atuarem como parte da rede de proteção social para a garantia dos direitos das crianças e adolescentes. Segundo a nota, as unidades são formadas e capacitadas para reconhecer suspeitas de violência sexual. No material de apoio a profissionais, é apresentado principais sinais demonstrados pelas vítimas, e orientação para encaminhamento imediato dos casos para Conselho Tutelar e a DPCA (Delegacia de proteção à criança e ao adolescente).

Segundo a secretaria, dentre outros projetos  é oferecido o curso de Prevenção à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes oferecido pela Subsecretaria de Educação Continuada (EAPE), em parceria com outros órgãos (SEJUS/SECriança/Centro 18 de Maio), e que está em sua sétima edição.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Naturalização da violência 

Polyana Marra Soares, 38 anos, chefe do PDEST (Posto de depoimento especial) do TJDFT (Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios), salienta que há crianças e adolescentes que não conseguem identificar que passaram por uma violência sexual. Segundo ela, isso pode ocorrer pelo estágio de desenvolvimento da criança ou porque muitas vezes a ato vem ligado a uma relação de afeto.

Antes, presencialmente, profissionais ajudavam crianças a identificarem violência. A imagem acima foi feita antes da pandemia.

“A gente fala aqui na delegacia que é preciso dessensibilizar a vítima para o que vai acontecer. Então, como você dessensibiliza? O agressor vai cada vez evoluindo naquele caráter libidinoso do toque. Criando estratégias para que a criança se acostume com aquela situação toda. Agora na pandemia é lógico que  você coloca essa criança mais tempo dentro de casa, ou seja, existem mais possibilidades de que ela fique muito mais vulnerável a esse agressor”, comenta Ana Cristina Melo Santiago, delegada da DPCA. Por isso, a distância das escolas é um prejuízo imensurável.

“A escola é importante para esclarecer (os caminhos da violência)”, diz a delegada

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo Pollyana Marra, a equipe da Secretaria Psicossocial Judiciária do TJDFT, onde está incluso o PDEST, se disponibiliza para visitar escolas do DF com projetos para prevenção de violência sexual. Ela conta que é comum crianças e adolescentes identificarem que sofrem violência durante as rodas de conversa. “Para mim, não tem como a gente não pensar em educação sexual nas escolas. Eu que tenho dois filhos e trabalho com isso eu sei, que eu posso estar aqui no escritório e estar acontecendo (a violência  sexual) ali no quarto, na cozinha. Quantas crianças eu já atendi que a mãe estava lavando louça e o padrasto abusando da criança na sala, assistindo televisão?”, questiona Pollyana  Marra.

Medo da denúncia 

Ana Cristina Melo Santiago comenta que é comum adultos que recebem revelação de violência por parte de uma criança sinta-se inseguros de denunciar, por não ter certeza do que aconteceu. “Quem investiga é a polícia, o seu papel é em uma suspeita, se a criança relatou o fato, de notificar a polícia ou o conselho tutelar. Isso (a denúncia) não quer dizer que você está atestando que isso aconteceu, nem que você tem certeza”, esclarece ela.

Segundo o Artigo 13 do ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente), os casos de suspeita ou confirmação de castigo físico, de tratamento cruel ou degradante e de maus-tratos contra crianças ou adolescentes serão obrigatoriamente comunicados ao Conselho Tutelar da respectiva localidade, sem prejuízo de outras providências legais.






Você pode gostar