Brasília

A cada dia abre-se uma empresa no DF

Os dados são do boletim anual do Mapa de Empresas feito pelo Ministério da Economia

Foto: João Alvarez

Cezar Camilo
[email protected]

Em 2020, o Distrito Federal também ficou no topo das regiões com maior celeridade na abertura de uma nova empresa. Em quarto lugar na lista nacional, Brasília abre um negócio em um prazo de 1 dia e 8 horas.

Os dados são do boletim anual do Mapa de Empresas pela Secretaria Especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia. Em primeiro lugar está Goiás (onde se abrem negócios em média em 1 dia e 2 horas), depois Sergipe (1 dia e 5 horas) e Paraná (1 dia e 6 horas).

Em 2020, foram registrados 2,6 milhões de novos Microempreendedores Individuais (MEI) no Brasil. O número é o maior registrado nos últimos cinco anos, de acordo com levantamento feito pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) com dados da Receita Federal.

Atualmente, o Brasil já conta com mais de 11,3 milhões de MEI ativos. Os setores de Comércio Varejista de Vestuário e Acessórios (180 mil); Promoção de Vendas (140 mil); Cabeleireiros, Manicure e Pedicure (131 mil); Fornecimento de Alimentos para Consumo Domiciliar (106 mil) e Obras de Alvenaria (105 mil) seguiram – a exemplo de 2019 – liderando o ranking de atividades com o maior número de MEI criados no ano passado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os MEIs representaram 56,7% das 19,9 milhões de empresas ativas no Brasil até o fim de 2020 – o número considera CNPJs ativos. O Ministério da Economia interpreta que o crescimento dos microempreendedores decorre de fatores como uma busca por medidas emergenciais do governo e a demanda observada a partir da mudança de comportamento de consumo da população. “É possível que vejamos fenômeno similar na prestação de serviço. No e-commerce, de maneira geral, há um movimento de substituição de lojas físicas por empresas que só funcionam no ambiente virtual”, explicou o secretário-adjunto de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia, Gleisson Rubin.






Você pode gostar