fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Brasil

Zeus, que passou temporada no Alvorada, gosta de brincar na terra e voltou dengoso, diz tutor

Depois de passar uma temporada com a família Bolsonaro no Alvorada, o cachorro Zeus agora pode fazer novamente o que mais gosta: brincar na terra

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Morador do setor de Chácaras em Brasília, o peludo não estranhou a mudança de casa, mas voltou um tanto dengoso. Segundo o tutor, consequência de mimos que recebeu na residência presidencial.
Enquanto esteve com a família Bolsonaro, o cachorro brincou no gramado e tirou foto em um sofá. A primeira-dama, Michelle Bolsonaro, contou em um story no Instagram que ele dormiu diariamente no quarto de sua filha Letícia.


Para Nagib Lima Zeidan, 25, Zeus ficou feliz por voltar para casa. Filho de uma akita e um pastor maremano, o pelo branquinho não é motivo para preocupação: ele se diverte na terra e adora uma poça, conta o tutor. A sujeira é inevitável, mas nada como um banho após dias de brincadeiras, digamos, mais intensas. Outra atividade favorita do doguinho é roer ossos, segundo Zeidan.


Zeus é acostumado com a liberdade. Sem usar plaquinha de identificação, o cachorro se perdeu ao seguir uma cadela no cio e acabou diante do Palácio do Planalto. Dali, foi levado ao Alvorada e, de repente, Zeus virou Augusto, ganhou rede social, se tornou alvo de polêmica -e celebridade.
Desfeita a confusão e localizado o verdadeiro tutor, o peludo tem aproveitado seu lar. Quando o blog conversou com Zeidan, na tarde de quinta (2), Zeus tirava um cochilo.


Ele deve ter sofrido nas ruas e, por isso, ainda não está muito animado para dar suas voltinhas, suspeita o tutor. De qualquer forma, diz, é muito inteligente e consegue dar seu jeito para abrir o portão.
Agora, porém, o jovem avalia colocar uma plaquinha de identificação, para facilitar o reencontro, caso o animal volte a sumir.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


SOBRENOME BOLSONARO


Ao chegar ao Alvorada, o peludo ganhou o nome de Augusto Bolsonaro e perfil no Instagram que, rapidamente, reuniu mais de 5.000 seguidores. Com o desfecho do caso e devolução do animal, Zeidan acabou também criando uma conta para Zeus que, inicialmente, levava seu sobrenome.


No entanto, afirma que a família Bolsonaro cuidou tão bem de seu amigão que decidiu fazer uma homenagem e manteve o nome que o animal ganhou enquanto esteve perdido. Com isso, o perfil na rede mudou para Zeus Augusto Bolsonaro.


O tutor conta que teve receio, em um primeiro momento, que a família presidencial não gostasse de ter o nome associado ao cão. Diz ter mandado uma mensagem pela rede e reafirma a homenagem como agradecimento pelo fato de o peludo ter sido tão bem recebido.


Zeidan, que trabalhava como frentista antes da pandemia e agora está desempregado, afirma que não quis administrar o perfil de Augusto Bolsonaro porque criou página própria e porque naquele perfil havia muitos comentários maldosos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade