fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Brasil

Vacina da Pfizer é testada na Bahia, mas Estado não tem acordo para compra e distribuição

Nesta segunda-feira, 9, as empresas anunciaram que o imunizante tem eficácia de mais de 90% na prevenção à Covid-19

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Apesar de apoiar a realização dos testes no Estado e de garantir auxílio na logística de distribuição, o governo da Bahia não tem acordo para adquirir nem comercializar no Brasil doses da vacina das farmacêuticas Pfizer e BioNTech contra covid-19. Nesta segunda-feira, 9, as empresas anunciaram que o imunizante tem eficácia de mais de 90% na prevenção à doença, apontaram dados iniciais do estudo da fase 3.

A postura do governo baiano em relação à vacina é diferente da adotada com a “Sputnik V”, produzida pela Rússia – neste caso, o Estado fechou acordo para ser a única responsável pela comercialização da substância no Brasil, por meio da estatal Bahiafarma.

Ao comentar os resultados da vacina da Pfizer, o governador da Bahia, Rui Costa (PT), comemorou, mas colocou nas costas do governo federal a responsabilidade por comprar e distribuir o imunizante, quando a aplicação em larga escala for autorizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Ele disse esperar que o Ministério da Saúde assuma as tratativas sobre a questão com as farmacêuticas e convoque os Estados para discutir um planejamento de como será feita toda a operação. Para o petista, um entrave na aquisição da BNT162b2 será o custo dela, considerado mais alto que o de candidatas em produção em outros países.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Não sei o preço que eles vão botar no Brasil, mas o custo estimado é mais que o dobro das vacinas de outras nacionalidades que estão sendo testadas no mundo. É um custo muito elevado. O governo federal, historicamente, é quem compra as vacinas e distribui aos estados. Não sei como vai funcionar. Vamos ver como vai se materializar o preço final”, afirmou Rui, em entrevista coletiva, nesta manhã.

O governador disse também que o estado se comprometeu, em reunião com representantes da Pfizer, a auxiliar na logística de distribuição da vacina no país. De armazenagem delicada, a BNT162b2 precisa ser acondicionada a uma temperatura de – 75ºC – na Bahia, apenas o Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen) tem equipamento próprio para isto.

“Estamos estudando toda a logística de distribuição, a equipe técnica da nossa secretaria está trabalhando nisso. É uma vacina que tem maior complexidade logística para ser aplicada na população porque ela exige um resfriamento a baixas temperaturas, enquanto aguarda os lotes para serem aplicados. Exige super refrigeradores, você tem que manter as vacinas a – 75ºC. Na Bahia, nós só temos refrigerador assim no Lacen. Nenhum outro lugar tem”, explicou.

No Brasil, Bahia e São Paulo participaram dos estudos com voluntários para atestar a eficácia da vacina. Em solo baiano, os testes foram feitos em 1.549 pessoas, no Hospital Santo Antônio, das Obras Sociais Irmã Dulce (Osid), em Salvador.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade