fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Brasil

Suspeito de matar mulher e manter corpo em casa é encontrado morto na cadeia

Segundo o documento, registrado no 6º DP da cidade, a morte foi constatada após seus seis companheiros de cela serem liberados para o banho de sol

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

ALFREDO HENRIQUE
SÃO PAULO, SP

Um suspeito de matar a ex-namorada no interior de São Paulo, idade não informada, foi encontrado morto dentro de uma cela do CDP (Centro de Detenção Provisória) de Jundiaí (58 km de SP), por volta das 11h desta quarta-feira (28). Ele estava preso desde abril.

A SAP (Secretaria da Administração Penitenciária), gestão João Doria (PSDB), afirmou ter aberto um procedimento para apurar a morte do detento, acrescentando que o caso foi registrado em um boletim de ocorrência.

Segundo o documento, registrado no 6º DP da cidade, a morte foi constatada após seus seis companheiros de cela serem liberados para o banho de sol. De acordo com a SAP, o homem já foi encontrado morto. “Ele teria usado um lençol para cometer suicídio”, afirma trecho de nota da pasta. A polícia, porém, investiga se de fato o detento teria tirado a própria vida.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A pasta acrescentou que a direção da unidade está prestando apoio aos parentes do preso. Até esta quarta-feira (28), ainda de acordo com a secretaria, 1.082 detentos estavam atrás das grades do CDP Marcos Antônio Alvez Bezerra, de Jundiaí, 235 a mais do que o limite do complexo, que é de 847.

Prisão

O homem foi preso em 19 de abril suspeito de matar a ex-namorada, de 45 anos, em Itatiba (84 km de SP). Ele teria mantido o corpo da vítima em um quarto.

Segundo a polícia, a mulher foi estrangulada até a morte, quando foi até a casa do ex com o intuito de pedir dinheiro emprestado para uma festa de aniversário. A vítima foi encontrada morta no mesmo dia de seu desaparecimento, no quarto da casa do ex-namorado. O homem teria confessado o crime no momento do flagrante, segundo a polícia.

O corpo estava sobre a cama do suspeito. A motivação para o crime não foi informada. O caso foi registrado como feminicídio (quando a vítima é morta por ser mulher).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As informações são da FolhaPress




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade