fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Brasil

Sociedade Brasileira de Infectologia divulga resultados de medicamentos no combate ao covid-19

Algumas opções de tratamento serão avaliadas por um grupo de especialistas em um estudo denominado “Coalizão COVID Brasil”, que incluirá cinco projetos

Avatar

Publicado

em

CLOROQUINA CORONAVIRUS
PUBLICIDADE

Nos últimos dias, muito tem se divulgado nas redes sociais a respeito do uso de medicamentos para a COVID-19. Várias destas divulgações que circulam nas mídias sociais são inadequadas, sem evidência científica e desinformam o público. Por isso, a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) divulgou, nesta semana, alguns esclarecimentos acerca dos tratamentos com medicamentos já avaliados. 

Algumas opções de tratamento serão avaliadas por um grupo de especialistas em um estudo denominado “Coalizão COVID Brasil”, que incluirá cinco projetos de pesquisa: 

  • Três avaliando pacientes hospitalizados em alas hospitalares e unidades de terapia intensiva
  • Um avaliando seguimento um ano após alta hospitalar
  • Um avaliando pacientes não hospitalizados com diagnóstico da doença

Cloroquina/hidroxicloroquina

Até o momento, os principais estudos clínicos, que são os randomizados com grupo controle, não demonstraram benefício do uso da cloroquina, nem da hidroxicloroquina no tratamento de pacientes hospitalizados com COVID-19 grave. Efeitos colaterais foram relatados. Seu uso em profilaxia pós-exposição, até o momento, também não demonstrou benefício

Corticoides

De acordo com um relatório preliminar, cuja publicação é aguardada para os próximos dias, de um grande estudo randomizado com grupo controle (Estudo RECOVERY), coordenado pela Universidade de Oxford na Inglaterra, que avalia várias terapias em potencial para o COVID-19, demonstrou que o corticoide dexametasona aumenta a sobrevida em pacientes com COVID-19 grave que necessitam de oxigênio suplementar ou ventilação mecânica, na dose de 6 mg/dia, com duração de até 10 dias

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Medicamentos antivirais

A associação dos antirretrovirais lopinavir/ritonavir, usadas no passado por pessoas vivendo com HIV, foi avaliada em estudo randomizado com grupo controle, publicada em maio/2020, e não demonstrou benefício

Medicamentos antiparasitários

Os antiparasitários ivermectina e nitazoxanida parecem ter atividade in vitro contra a SARS-CoV-2, porém ainda não há comprovação de eficácia in vivo, isto é, em seres humanos. Muitos dos medicamentos que demonstraram ação antiviral in vitro (no laboratório) não tiveram o mesmo benefício in vivo (em seres humanos). Só estudos clínicos permitirão definir seu benefício e segurança na COVID-19.

Tocilizumabe

O uso do imunomodulador tocilizumabe foi descrito em séries de casos e estudos observacionais de pacientes com COVID-19 com alguns resultados positivos. Até o momento não há dados de ensaios clínicos randomizados com grupo controle que comprovem seu benefício e segurança. O Estudo RECOVERY, coordenado pela Universidade de Oxford na Inglaterra, que avalia várias terapias em potencial para o COVID-19, deverá divulgar os resultados dos pacientes que receberam tocilizumabe nos próximos dias.

Anticoagulação

Pacientes hospitalizados com COVID-19 apresentam maior risco de complicações trombóticas, sendo indicado para a maioria deles, na ausência de contraindicação, o uso profilático de anticoagulantes, como heparina e seus derivados

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Plasma convalescente

O uso de plasma de pacientes recuperados de COVID-19 (plasma convalescente ou plasma hiperimune) pode proporcionar benefício na infecção pelo SARS-CoV2, mas estudos clínicos randomizados com grupo controle que comprovem seu benefício e segurança estão em andamento. O Estudo RECOVERY, coordenado pela Universidade de Oxford na Inglaterra, que avalia várias terapias em potencial para o COVID-19, deverá divulgar os resultados dos pacientes que receberam plasma de convalescentes nos próximos dias.

Vitaminas e suplementos alimentares

Não há comprovação de benefício do uso de vitaminas C ou D, nem de suplementos alimentares, como zinco, exceto em pacientes que apresentam hipovitaminose ou carência mineral.

Veja o documento na íntegra: 


Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade