fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Brasil

Protesto no Carrefour de Porto Alegre termina em confronto entre manifestantes e polícia

A Brigada Militar (BM) atirou bombas de gás lacrimogêneo nos manifestantes e duas pessoas ficaram feridas na ação

Avatar

Publicado

em

Foto: AFP
PUBLICIDADE

Um protesto realizado nesta segunda-feira, 23, na unidade do Carrefour da Avenida Bento Gonçalves, na zona norte de Porto Alegre, terminou em confronto com a polícia. A Brigada Militar (BM) atirou bombas de gás lacrimogêneo nos manifestantes e duas pessoas ficaram feridas. Este é o segundo protesto após o assassinato de João Alberto Freitas, de 40 anos. O homem negro foi espancado e morto por dois seguranças brancos do Carrefour localizado na Avenida Plínio Brasil Milano, na zona Norte da cidade, no dia 19 de novembro.

O grupo bloqueou as duas faixas da Bento Gonçalves, uma das avenidas mais movimentadas da cidade, aos gritos de “acabou o amor, isso aqui vai virar Palmares” e “o Carrefour é assassino”. Motociclistas buzinavam em apoio ao protesto.

Durante o protesto, um pelotão de choque da Brigada Militar se posicionou na Rua Osvaldo Pereira, transversal à Avenida Bento Gonçalves. Duas pessoas começaram a avançar em direção aos brigadianos, que se mantinham parados.

Após alguns minutos de insistência, os dois recuaram e a marcha retomou para a Bento Gonçalves. Era por volta das 19h40 quando iniciaram as primeiras cenas de depredação. Cerca de dez pessoas, quase todas mais jovens, começaram a quebrar as grades da unidade do Carrefour localizado na avenida. Além de pichações, um grupo também ateou fogo em objetos na via e arremessaram rojões no pátio do hipermercado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Protesto em Porto Alegre: Foto/AFP

Após cerca de 15 minutos de ação dos manifestantes, a tropa de choque iniciou a contenção. Bombas de gás lacrimogêneo foram usadas. No motim, duas pessoas ficaram feridas – uma delas foi uma senhora de aproximadamente 60 anos, que foi atingida de raspão na perna por uma bomba jogada por um dos manifestantes. O motorista de uma rádio de Porto Alegre também foi atingido por estilhaços de um foguete.

Mesmo com a ação da BM, manifestantes mais revoltados seguiam enfrentando o batalhão, atirando paus e pedras contra os agentes. Entretanto, a resistência durou pouco mais de 15 minutos e o protesto foi se dissipando.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Professor de teatro, Luno Pires dos Santos, de 21, diz que as imagens de João Alberto sendo morto lhe trouxeram sentimento de raiva e ódio. “A primeira coisa que penso é que poderia ser eu ou meu pai. E dá muita raiva e ódio porque o Carrefour já paga um salário de miséria para os pretos e agora mata um de nós.” Luno esteve presente nos dois protestos – o desta segunda e o de sexta, 20 – e era um dos que puxavam os cantos durante a caminhada.

Na última sexta-feira, uma manifestação aconteceu em frente à loja onde o crime aconteceu. Naquela ocasião, o protesto também terminou em confronto com a BM, que disparou bombas de gás para dispersar os manifestantes que tentaram invadir o prédio do Carrefour da zona Norte.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Violência no Carrefour de Porto Alegre é recorrente

A publicitária Regina Ritzel, de 37 anos, mora em frente à loja onde aconteceu o protesto desta segunda-feira. Ela conta que, ao saber da morte de João Alberto, viu reprisar uma cena que ela mesmo presenciou em 2018. “Eu fui acusada nesse Carrefour de ter roubado o mercado, fui levada para uma salinha com as minhas duas filhas e obrigada a ficar seminua na frente delas, dos funcionários e de clientes.”

Na época, as filhas de Regina tinham 7 e 17 anos, e Regina só foi liberada 42 minutos depois, quando ouviu no rádio dos seguranças a afirmação “não é essa negra”. Ela processou a rede e até hoje espera uma resposta da Justiça.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
>

De acordo com Regina, ver Beto ser assassinado gerou nela os sentimentos de “revolta” e “impotência”. “Vi mais um negro assassinado e virando estatística. Agora a gente quer que Porto Alegre vire Palmares.”

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade