fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Brasil

Presos suspeitos de envolvimento na morte de criança após ingerir achocolatado

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Ana Lúcia Ferreira
ana.ferreira@jornaldebrasilia.com.br

A morte de uma criança de dois anos em Cuiabá (MT) após ingerir um achocolatado teve uma reviravolta. Na manhã desta quinta-feira (1º), dois homens foram presos suspeitos de envolvimento no caso. Segundo a Polícia Civil o produto consumido pelo garoto estava envenenado.

Adones José Negri, de 61 anos, seria o responsável pelo ocorrido. Em depoimento, o senhor confessou que contaminou os produtos com veneno para ratos com o objetivo de punir um assaltante, que havia invadido a sua casa diversas vezes. Segundo o relato de Adones, o criminoso costumava tomar os achocolatados que ficavam na geladeira.

O homem responsável por cometer os assaltos é Deuel de Rezende Soares, de 27 anos. Ele possui diversas passagens por roubo na região. Na delegacia, ele contou que invadiu a casa de Adones e levou consigo os achocolatados. Mais tarde, vendeu os produtos para o pai do menino. Ao todo, seis achocolatados foram envenenados.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Relembre o caso

A criança morreu na última quinta-feira (25). A mãe do menino relatou que o garoto de dois anos passou mal após ingerir uma bebida achocolata da marca Itambé, por volta das 9 horas da manhã. O menino chegou a ser encaminhado para a Policlínica do Coxipó, onde deu entrada com parada cardiorrespiratória, mas não resistiu e faleceu no local.

A mulher, de 28 anos, e um tio da criança também passaram mal após ingerir o produto.  Em depoimento na delegacia, a mãe disse os produtos foram repassados por um vizinho.

Lote foi suspenso

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Desde a morte do garoto a polícia abriu um inquérito para investigar as causas e esperava o resultado dos laudos para apontar o motivo do óbito. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou na segunda-feira (29), o recolhimento do lote do achocolatado e também proibiu a comercialização do mesmo por 90 dias em todo o território nacional.

 

 

 


Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade