Siga o Jornal de Brasília

Brasil

Preso no Paraguai, traficante do CV é suspeito de assassinar mulher para evitar extradição

Publicado

em

Publicidade

Marcelo Pinheiro Veiga, conhecido por Marcelo Piloto, é suspeito de ter assassinado uma jovem de 18 anos dentro de um presídio no Paraguai. O crime seria uma tentativa de evitar sua extradição para o Brasil solicitada pela Justiça do pais.

O narcotraficante brasileiro, integrante da facção Comando Vermelho (CV), do Rio, teria utilizado uma faca de sobremesa para golpear a jovem Lidia Meza Burgos. A mulher teria ido visitá-lo no presídio neste sábado (17). A vítima é da cidade de General Resquín, no departamento de San Pedro. Ela chegou a ser levada para o Hospital de Barrio Obrero, em Assunção, mas não resistiu.

O assassinato da mulher foi confirmado pelo chefe do grupamento, Germán Real Medina. Segundo o jornal local “ABC Color”, agentes do presídio escutaram gritos e foram até o local da visita. Ali encontraram a mulher desacordada e com o corpo coberto de sangue.

Extradição

Publicidade

Marcelo Piloto é considerado um dos chefões da facção Comando Vermelho (CV), do Rio de Janeiro. Ele foi condenado pela Justiça do Estado a uma pena de 26 anos de prisão, porém fugiu. No Paraguai, ele segue preso por homicídio e falsificação de documentos.

De acordo com a imprensa paraguaia, o assassinato seria uma “estratégia macabra e desesperada” do narcotraficante para barrar sua extradição para o Brasil, uma vez que, todos os recursos judiciais para evitar a ação foram esgotados. Nessa sexta (16) , a Justiça negou o pedido da noiva de Piloto, Marisa de Souza Penna, também presa. Ela pretendia se casar com ele na prisão, pois o casamento com uma paraguaia poderia dificultar a extradição.


Você pode gostar
Publicidade