Siga o Jornal de Brasília

Brasil

Preso casal suspeito de envolvimento na execução de policial em Ponta Porã

Publicado

em

Publicidade

Um casal foi preso suspeito de envolvimento na execução do policial civil Wescley Dias Vasconcelos, de 37 anos, ocorrida no dia 6 de março, em Ponta Porã, na fronteira com o Paraguai. O homem de 53 anos e a mulher dele, de 29, foram flagrados com armas, no Paraguai, na tarde dessa segunda-feira (26).

Durante as investigações, foram apreendidos aparelhos celulares, um carro de luxo e uma pistola 9 milímetros. As informações são do G1. Segundo a publicação, durante as buscas, a força tarefa apreendeu um arsenal de armas e prendeu um policial militar da reserva, por suspeitas de envolvimento na morte de Wescley.

A polícia ainda procura por um outro suspeito: Sérgio de Arruda Quintiliano, conhecido como minotauro. A informação até o momento é de que ele estaria no Paraguai e usando o nome falso de Celso Mateus Espíndola. O traficante Jorge Rafaat, que era investigado por Wescley, também é suspeito de envolvimento no caso.

O crime

Publicidade

O policial civil de Brasília era lotado em Ponta Porã e foi executado com 30 tiros de fuzil, ao ser vítima de uma emboscada. Wescley morava a cerca de 600 metros da delegacia. Segundo a polícia, o rapaz havia saído do trabalho em uma viatura descaracterizada, junto com uma estagiária, para pegar algo em casa e, no caminho, foi baleado. Wescley morreu na hora. A garota foi atingida com um tiro de raspão.

O policial formou no final de 2014 e, logo em seguida, foi transferido para a região da fronteira. Antes, o servidor trabalhou na Bahia durante seis anos como policial militar. Wescley Vasconcelos era tratado pelos colegas com unanimidade pela excelência com que conduzia o serviço. Desde o dia do crime, policiais de Campo Grande e Ponta Porã realizam uma força-tarefa na busca pelos autores.

O carro em que o policial estava ficou com marcas de tiros de fuzil Ak-47, que é de fabricação russa. A polícia entende que isso demonstra o alto grau de profissionalismo dos criminosos, porque houve grande quantidade de disparos e praticamente só acertaram o policial, que era o alvo.

‘Herói’

Ao Jornal de Brasília, Cátia Abreu, tia de Wescley, afirmou que o sentimento da família não é de revolta, mas de muita dor. “Dor porque perdemos um herói. Ele não é só nosso herói, mas herói do país inteiro. Ele morreu em nome de todos os policiais e da população brasileira. Ele morreu combatendo. O ato heroico dele não é abstrato, é real. Ele morreu em nome da população brasileira. Então nosso sentimento não é de revolta, mas muita dor”, resumiu. O corpo do policial foi trazido para Brasília e enterrado no dia 8 de março.


Você pode gostar
Publicidade