fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Brasil

PF realiza operação contra tráfico de pessoas em Minas Gerais

Os viajantes enfrentavam condições desumanas, eram forçados a corromper autoridades e ficavam submetidos aos guias denominados coiotes

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Na manhã desta quinta-feira (3) a Polícia Federal (PF), com apoio da Adidância da Polícia de Imigração e Alfândega (Homeland Security Investigations), na Embaixada dos Estados Unidos (EUA) em Brasília, deflagrou a terceira fase da Operação Policial CAI-CAI, para combater promoção de migração ilegal de brasileiros para os Estados Unidos da América.

Com início em outubro de 2019, as investigações, que fazem parte de ação de cooperação policial internacional contra o tráfico de pessoas, se originaram após recebimento de três notícias de crime diferentes, enviadas por três unidades distintas da PF, localizadas em três estados díspares, tendo em comum os mesmos suspeitos de promover a emigração ilegal de brasileiros para os Estados Unidos, demonstrando a amplitude da atuação dos envolvidos.

Apurou-se que os investigados se dedicam intensamente à prática dos crimes de promoção de migração ilegal, associação criminosa e envio ilegal de criança ou adolescente para o exterior, cobrando até 22 mil dólares por interessado.

Os viajantes, sob sérios riscos, enfrentavam condições desumanas, eram forçados a corromper autoridades da imigração mexicana e ficavam submetidos aos guias denominados coiotes – criminosos, majoritariamente armados, responsáveis pela definição das rotas arriscadas de travessia de fronteira.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A Polícia Federal representou por 11 mandados de prisão temporária e 21 mandados de busca e apreensão, expedidos pela Justiça Federal de Governador Valadares e cumpridos nas cidades mineiras de Governador Valadares (uma prisão temporária e uma busca e apreensão), Tarumirim (quatro prisões temporárias e 10 buscas e apreensões), Alvarenga (duas prisões temporárias e três buscas e apreensões), Campanário (uma prisão temporária e uma busca e apreensão), Engenheiro Caldas (uma prisão temporária e quatro buscas e apreensões), Piedade de Caratinga (uma prisão temporária e uma busca e apreensão) e Virginópolis (uma prisão temporária e uma busca e apreensão).

Dentre os presos, há ex-prefeitos, um prefeito eleito e um vice-prefeito em final de mandato, todos de cidades da região de Governador Valadares. Se condenados, os presos e demais investigados podem cumprir até 16 anos de reclusão; sujeitos a aumento de pena, condicionado à quantidade de crimes imputados a cada um deles.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na primeira fase da Operação CAI-CAI, um dos réus foi condenado a 127 anos, tendo sido identificados 270 crimes. Seguindo todos os protocolos de cuidados do Ministério da Saúde em face da pandemia do Covid-19, a Polícia Federal continua trabalhando.




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade