fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Brasil

PF mira magistrados suspeitos de vender sentenças em Goiás

A investigação corre em segredo de Justiça. Os nomes dos envolvidos não foram divulgados

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

João Valadares
Recife, PE

A Polícia Federal cumpriu, na manhã desta terça-feira (30), oito mandados de busca e apreensão em endereços de empresários, advogados e magistrados do TJ-GO (Tribunal de Justiça de Goiás) suspeitos de envolvimento em esquema de venda de sentenças judiciais.

A Procuradoria da República em Goiás informou que os policiais federais também recolheram documentos em uma empresa ligada aos envolvidos. Dois desembargadores e um juiz estão entre os alvos da operação.

A investigação corre em segredo de Justiça. Os nomes dos envolvidos não foram divulgados.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As ordens judiciais foram determinadas pelo ministro do STJ (Superior Tribunal de Justiça) Mauro Campbell.

A operação desta terça-feira, conforme informou a assessoria de comunicação social da PGR (Procuradoria-Geral da República), é um desdobramento da operação Máfia das Falências, que havia sido iniciada em primeira instância.

A descoberta de indícios de participação de magistrados com prerrogativa de foro no STJ fez com que as investigações passassem a ser conduzidas pela PGR.

Há indícios dos crimes de corrupção, tráfico de influência, exploração de prestígio, advocacia administrativa e lavagem de dinheiro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os dois desembargadores e um juiz do TJ-GO são investigados por suspeita de participação em organização criminosa envolvida com a venda de decisões judiciais em processos de recuperação judicial de empresas.

A PGR informou que, na petição enviada ao STJ, a subprocuradora-geral da República Lindôra Araujo descreve dois fatos criminosos.

Um deles estaria relacionado à tentativa de nomeação de administrador específico para atuar no processo de recuperação judicial de uma usina de álcool para a obtenção de lucros.

Outro possível crime envolve o pagamento de R$ 800 mil a um desembargador para que fosse autorizado o retorno de um investigado ao cargo de administrador judicial da usina.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Durante o cumprimento dos mandados judiciais, foram apreendidos documentos e aparelhos celulares que estavam em poder dos investigados.

As informações são da FolhaPress


Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade