fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Brasil

Operação no RJ prende suspeitos de movimentar dinheiro na maior milícia do estado

O bloqueio e o sequestro de bens das empresas foi autorizado pela Justiça do RJ. A força-tarefa da operação cumpre mais 11 mandados de busca e apreensão

Aline Rocha

Publicado

em

PUBLICIDADE

Aline Rocha
[email protected]

Na manhã desta quarta-feira (3), operação da Polícia Civil do Rio de Janeiro (PCERJ) e do Ministério Público (MP) prendeu seis suspeitos de movimentar dinheiro da maior milícia do estado, a Liga da Justiça. Um dos suspeitos presos é um Policial Militar reformado.

Um dos procurados, Luís Antônio da Silva Braga, conhecido como Zinho e irmão de Wellington da Silva Braga, o Ecko, está foragido. Ecko é apontado como chefe do grupo paramilitar conhecido como Bonde do Ecko. Os dois também são considerados foragidos de outras operações.

O bloqueio e o sequestro de bens das empresas foi autorizado pela Justiça do Rio de Janeiro. A força-tarefa da operação cumpre, também, mais 11 mandados de busca e apreensão. Eles afirmam que a milícia lavou dinheiro de suas atividades com o apoio de empresas como a Hessel Locação de Equipamentos Ltda. e a Macla Extração e Comércio de Saibro Eireli.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os seguintes suspeitos foram denunciados na operação:
Carla dos Santos Alves da Silva, presa;
Clayton da Silva Novaes, PM reformado, preso;
Fabiana Castilho Alves Duque, presa;
Jenilson Simões Gonçalves, preso;
Luís Antônio da Silva Braga, o Zinho, foragido;
Márcio Jacob Hessel, preso;
Sidnei Coutinho Perrut, preso.

Prisões

Clayton da Silva Novaes é policial reformado e foi preso na Baixada Fluminense, no Paracambi, na manhã de hoje (3). O esquema comandado por Zinho e Clayton contava com empresas que faturaram cerca de R$ 42 milhões entre 2012 e 2017, como a empresa de saibro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os procurados foram denunciados por organização criminosa e lavagem de dinheiro. De acordo com as investigações, comerciantes e moradores de locais dominados pela milícia eram ameaçados, além de transportes por vans e sinal pirata de TV a cabo ter tomado conta da região.

De acordo com o MP, a organização criminosa é uma herança de Carlinhos Três Pontes, e tem grupos espalhados na Baixada Fluminense e em outros locais do estado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A força-tarefa é composta pelo Departamento-geral de Combate à Corrupção, ao Crime Organizado e a Lavagem de Dinheiro da Polícia Civil e pelo Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado do MP. As prisões foram decretadas pelo juízo da 42ª Vara Criminal da Comarca da Capital.




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade