fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Brasil

Novo vírus provoca primeiro caso de febre hemorrágica brasileira em 20 anos

A confirmação do caso está sendo considerada um “evento de saúde pública grave” pelo ministério por causa da raridade e alta letalidade da doença

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

O Ministério da Saúde confirmou, na noite desta segunda-feira, 20, um caso de febre hemorrágica brasileira causada por um novo vírus. É a primeira vez em 20 anos que a doença é registrada no País. O paciente, morador de Sorocaba, no interior de São Paulo, morreu por complicações da doença no dia 11 de janeiro.

De acordo com boletim epidemiológico divulgado pela pasta, no caso de Sorocaba foi identificado um novo vírus da família Arenavírus, do gênero Mammarenavirus, o vírus Sabiá.

A confirmação do caso está sendo considerada um “evento de saúde pública grave” pelo ministério por causa da raridade e alta letalidade da doença. Antes desse registro, só haviam sido relatados quatro casos de febre hemorrágica viral no Brasil, o último em 1999.

“Considerando a família, este vírus pode apresentar alta patogenicidade e letalidade. Este fator representa um risco significativo para a saúde pública, ainda que nenhum caso secundário tenha sido identificado até este momento da investigação”, destacou o órgão, no boletim.

Seguindo protocolos internacionais, o ministério já comunicou o fato à Organização Mundial de Saúde (OMS) e à Organização Pan-americana de Saúde (OPAS), mas destacou que ainda não há necessidade de apoio externo de organismos internacionais.

De acordo com o ministério, o paciente começou a manifestar os sintomas no dia 30 de dezembro de 2019, com quadro de dor ao engolir e no abdôme, náuseas, vertigem e dores musculares. Os sintomas evoluíram para um quadro mais grave, que incluiu febre alta, pressão baixa, confusão mental e hemorragia.

Entre o início dos sintomas e o óbito, o paciente foi atendido por pelo menos três estabelecimentos de saúde entre os municípios de Eldorado, Pariquera-Açu e São Paulo, sendo o último o Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (HC-USP).

Todas as pessoas que tiveram contato mais próximo com o paciente ou suas secreções deverão ser monitorados por 21 dias, segundo recomendação do ministério, incluindo parentes e os profissionais de saúde que participaram dos atendimentos.

As autoridades sanitárias ainda não sabem como a vítima se infectou. A doença é transmitida principalmente por meio da inalação de partículas formadas a partir de urina, fezes e saliva de roedores infectados, os principais repositórios do vírus.

A transmissão de pessoa a pessoa pode ocorrer quando há contato muito próximo e prolongado ou em ambientes hospitalares, quando não utilizados equipamentos de proteção, por meio de contato com sangue, urina, fezes, saliva, vômito, sêmen e outras secreções, segundo o ministério.

Antes do início dos sintomas, o paciente esteve nas cidades de Itapeva e Itaporanga, ambas no interior de São Paulo e que estão sendo tratadas como possíveis locais de infecção. A vítima não tinha histórico de viagem internacional.

O ministério informou que realizou, nesta segunda, reunião com representantes de todas as partes envolvidas no caso: Secretaria da Saúde de São Paulo, Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, Hospital Israelita Albert Einstein e os Conselhos Nacional e Estaduais de Saúde (Conass e Conasems).

“O objetivo da reunião foi verificar o atual cenário e as ações de busca e monitoramento das pessoas que tiveram contato direto com o paciente”, destacou a pasta, que também ofereceu apoio à Secretaria de Saúde de São Paulo, com o envio de equipe de técnicos, para realizar a busca ativa de pessoas que tiveram contato com o paciente e para a investigação ambiental.

 

Estadão Conteúdo


Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade