fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Brasil

Ministério da Saúde fecha acordo com governo de SP para compra de 46 milhões de doses da Coronavac

Bolsonaro ressaltou ainda que quem defende a vacinação obrigatória contra o coronavírus não pensa na “vida do próximo”

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Igor Gielow
São Paulo, SP

O Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, fechou um acordo com o estado de São Paulo para compra de 46 milhões de doses da Coronavac, vacina da farmacêutica chinesa Sinovac que será produzida no Brasil pelo Instituto Butantan, ao custo de US$ 2,6 bilhões de dólares (R$ 14,51 bilhões de reais), até dezembro deste ano.

Em reunião com governadores nesta terça-feira (20), Pazuello, afirmou que vai incorporar a Coronavac no Programa Nacional de Imunizações, colocando-a assim no cronograma nacional.

Os recursos, segundo a Folha apurou, devem ser liberados por meio de medida provisória.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O governo federal tem o contrato para obter 140 milhões de doses —100 milhões da parceria entre a AstraZeneca e a Universidade de Oxford e 40 milhões do mecanismo Covax Facility, liderado pela OMS (Organização Mundial de Saúde).

O acordo foi fechado um adia após o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) criticar a postura do governador João Doria em afirmar que a vacinação contra a Covid-19 será obrigatória no estado de SP e afirmar que as doses precisariam ter comprovação científica para que fossem aplicadas.

“O país que está oferecendo essa vacina tem que primeiro vacinar em massa os seus, depois oferecer para outros países”, afirmou o presidente.

No final da tarde, em evento no Palácio do Planalto, o presidente fez críticas indiretas ao governador João Doria (PSDB). Segundo ele, o tucano está “levando terror perante a opinião pública”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Não quero acusar ninguém de nada aqui, mas essa pessoa está se arvorando e levando terror perante a opinião pública. Hoje em dia, pelo menos metade da população diz que não quer tomar essa vacina. Isso é direito das pessoas. Ninguém pode, em hipótese alguma, obrigá-las a tomar essa vacina”, acrescentou.

Bolsonaro ressaltou ainda que quem defende a vacinação obrigatória contra o coronavírus não pensa na “vida do próximo” e que as decisões sobre a política de imunização cabem ao Ministério da Saúde.

A Coronavc está na fase 3 de testes, incluindo o Brasil. Segundo o governo de São Paulo, a vacina é segura e registrou efetios colaterais leves em 35% dos voluntários da pesquisa.

As informações são da FolhaPress

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade