Siga o Jornal de Brasília

Brasil

Menino de três anos morre após tomar vacina contra a febre amarela

Publicado

em

Publicidade

Uma criança de três anos morreu sete dias após tomar a vacina contra a febre amarela, em Osacos, na Grande São Paulo, no último dia 19. De acordo com a prefeitura da cidade, o menino era morador de Carapicuíba e foi atendido em um hospital particular com quadro de encefalite (inflamação no cérebro).

Em nota, o hospital disse que, no dia 17, Murilo Pio deu entrada no centro médico com febre e aumento dos gânglios linfáticos. Na ocasião, ele passou por exames e foi liberado com diagnóstico de “nasofaringite aguda” (resfriado).

Um dia depois, a família retornou ao hospital com queixa de vômito. Na nova consulta, ainda segundo a unidade de saúde, os médicos receberam a informação que a criança tinha apresentado reação após ser medicada pela avó. Os pais do menino também revelaram que ele tinha sido vacinado contra a febre amarela.

Durante exames, a criança apresentou contrações musculares da face e, antes do término do exame, teve uma crise convulsiva generalizada. O garoto acabou sofrendo uma parada cardiorrespiratória e não resistiu. O hospital disse aguardar o laudo do Instituto Médico Legal (IML) para confirmar a causa da morte do paciente.

Publicidade

A prefeitura de Osasco, porém, considerou “prematuro” afirmar que a morte foi provocada pela vacina. “É preciso investigar a causa, o que será feito pelo Instituto Adolfo Lutz.”

Outros casos

Até o dia 19 de janeiro, o estado de São Paulo tinha registrado três mortes causadas por reação à vacina de febre amarela desde janeiro de 2017. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, outros seis casos de morte por reação à vacina ainda estão sob investigação.

O balanço do governo estadual também aponta que, desde janeiro de 2017, foram 36 mortes por febre amarela silvestre no estado de São Paulo e 81 casos de contágio da doença. Desse total, 41 foram em Mairiporã, na Grande São Paulo. Em 12 de janeiro, eram 21 óbitos e 40 casos de pessoas com a doença.


Você pode gostar
Publicidade