fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Brasil

MEC vai liberar R$ 1,99 bilhão para universidades e institutos de ensino

O MEC havia informado, anteriormente, que os valores somados dariam R$ 1,821 bilhões, mas atualizou o dado e divulgou o valor total

Aline Rocha

Publicado

em

PUBLICIDADE

Da Redação
[email protected]

Na manhã desta segunda-feira (30) o Ministério da Educação (MEC) anunciou que será liberados R$ 1,99 bilhão para a pasta com destino, principalmente, para universidades e institutos federais de educação. O MEC havia informado, anteriormente, que os valores somados dariam R$ 1,821 bilhões, mas atualizou o dado e divulgou o valor total.

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, explica que as universidades e os institutos devem receber R$ 1,156 bilhão do total descontingenciado, o equivalente a 58% do total.

Confira como será a distribuição dos recursos:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
  • R$ 1,156 bilhões para universidades e institutos
  • R$ 270 milhões para bolsas Capes
  • R$ 105 milhões para exames da educação básica
  • R$ 290 milhões livros didático
  • Demais recursos para o pagamento de contas

Com o desbloqueio dessas verbas, o contingenciamento caiu para 15%. O MEC havia anunciado, anteriormente, o bloqueio de 24,84% dos recursos.

No início de setembro a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal do Nível Superior (Capes) anunciou que 5.613 bolsas seriam cortadas, prevendo uma economia de R$ 544 milhões em 4 anos.

O MEC anunciou o desbloqueio de parte das bolsas 10 dias depois do pronunciamento da Capes, liberando 3.182 bolsas de pós-graduação de cursos com alta avaliação.

O ministério explica que a liberação de R$ 270 milhões anunciada nesta segunda será para pagar as bolsas atuais. Entretanto, seguem suspensas 2.431 bolsas que foram cortadas por baixo desempenho. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Fundo Petrobras

Weintraub afirma que o descontingenciamento não é oriundo do Fundo Petrobras, já que o uso desse recurso ainda depende de um projeto de lei que passará pelo Congresso Nacional. A ideia é que os valores advindos do fundo sejam destinados para a educação infantil, creches e pré-escolas.

O fundo é resultado de um acordo da estatal com autoridades nos Estados Unidos para encerrar investigações sobre a empresa naquele país. Em contrapartida, a Petrobras se comprometeu a depositar o valor bilionário no Brasil.

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, validou um acordo para a utilização do fundo, assinado pelo governo federal, por representantes da Câmara, do Senado e da Procuradoria-Geral da República (PGR).

Moraes validou a seguinte divisão para uso do Fundo Petrobras:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
  • R$ 1,601 bilhão para a Educação (contemplando a recomposição de recursos para pagar as bolsas do CNPq até o fim deste ano);
  • R$ 1,060 bilhão para ações de preservação da Amazônia.



Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade