fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Brasil

Mais da metade dos alunos de licenciaturas do país estão em cursos a distância

Na rede privada, que concentra a maior parte das matrículas no ensino superior, sete em cada dez estudantes estão nessa modalidade

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Paulo Saldaña
São Paulo, SP

Mais da metade dos alunos brasileiros de licenciaturas (53%), que formam professores, estão em cursos a distância, segundo dados de 2019.

Na rede privada, que concentra a maior parte das matrículas no ensino superior, sete em cada dez estudantes estão nessa modalidade.

As informações são do Censo da Educação Superior de 2019, divulgado nesta sexta-feira (23) pelo Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais), órgão do Ministério da Educação.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A baixa qualidade da formação dos futuros professores é apontada como um dos entraves para a melhoria da educação básica.

O ensino não presencial nas licenciaturas é visto com ressalvas por especialistas –a modalidade é a aposta do setor privado de ensino superior para a expansão de matrículas.

Em avaliação federal de 2017, apenas 0,5% dos cursos de formação de professores a distância tiveram nota máxima. O percentual foi de 2,5% na modalidade presencial.

De 1,7 milhão de matrículas em licenciaturas, 899.217 estão em cursos a distância. Essa proporção tem subido de forma acelerada nos últimos anos: representava cerca de um terço entre 2009 e 2013, chegou a 42%, em 2016, e a 50% em 2018.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os dados gerais refletem o comportamento do setor privado. Universidades, faculdades e centros universitários particulares concentram 1 milhão de alunos em licenciaturas, sendo 793 mil (74%) em vagas não presenciais –até 2013, isso não passava da metade.

O ensino superior brasileiro registrou, no total, 8.603.824 matrículas em 2019, um avanço de 2% com relação ao ano anterior. Em 2019, 76% dos estudantes universitários estavam em instituições privadas.

Avaliações federais da etapa têm mostrado qualidade inferior das faculdades privadas. No último Enade, divulgado nesta semana, só 1% dos cursos particulares avaliados em 2019 obteve nota máxima, contra 24% nas federais.

O pequeno aumento no total de matrículas no ano passado ocorre, sobretudo, por causa do aumento de matrículas nos cursos a distância no setor particular. Houve um incremento de 409 mil matrículas em relação ao ano anterior.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As graduações não presenciais já concentram 28% das matrículas no ensino superior como um todo.

Atingem 35% dos alunos ao se olhar apenas o setor privado, levando em conta todas as carreiras.

Os dados refletem cenário anterior à pandemia do novo coronavírus, que causou impacto na manutenção de estudantes e na oferta de educação remota.

O Censo 2019 ainda mostra que o país registrou a primeira baixa no número total de alunos concluintes desde 2013. As instituições públicas e particulares formaram 1.250.076 pessoas, queda de 1% em relação ao ano anterior.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Houve redução nas matrículas na média das instituições públicas (federais, estaduais e municipais) e também nas particulares.

O maior impacto, entretanto, vem da queda de concluintes, a primeira desde 2015, em cursos presenciais do setor privado, que passaram de 747.965, em 2018, para 694.831 -retração de 7%

Já o total de alunos ingressantes em 2019 no ensino superior foi de 3.633.320, número 5% superior ao de 2018. Apesar da alta, o ritmo é menor do que o registrado nos dois anteriores, quando o crescimento fora de 7% em 2018 e 8% em 2017.

No ano passado, 44% dos novos alunos ingressaram em cursos a distância. Percentual que era, por exemplo, de 24% em 2015.

O curso com maior volume de matrículas no país em 2019 continua sendo o de direito, com 831.350 alunos. A posição é registrada desde 2014.

Na sequência, aparecem Pedagogia (815.350 matrículas) e Administração (645.777).

As universidades federais somaram 1.335.254 matrículas no ano passado, 1% a mais do que em 2018. Na comparação com 2009, a rede federal teve um incremento de 495.857 matrículas -alta de 59%.

Nas instituições privadas, foram criadas 2.093.521 matrículas no período -um crescimento de 47%.




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade