Siga o Jornal de Brasília

Brasil

João de Deus sofre a primeira condenação, por porte ilegal de armas de fogo

O médium segue preso, também acusado de crimes sexuais durante atendimentos espirituais. O réu nega as acusações. O caso segue em segredo de justiça

Publicado

em

Publicidade

Da Redação
redacao@grupojbr.com

Em decisão dada pela juíza Rosângela Rodrigues, João de Deus sofreu sua primeira condenação, nesta quinta-feira (7), por posse ilegal de armas de fogo. O médium foi condenado a quatro anos de prisão em regime aberto em Abadiânia, Goiás.

João de Deus segue preso, também acusado de crimes sexuais durante atendimentos espirituais. O réu nega as acusações. O caso segue em segredo de justiça.

O Ministério Público de Goiás propôs a denúncia. “Estudamos recorrer no tocante à pena e também pela absolvição da Ana Keyla (mulher de João de Deus, também ré no processo, mas absolvida)”, informou o promotor de Justiça Luciano Miranda, coordenador da força-tarefa que apura as denúncias contra João de Deus.

Advogado do condenado, Anderson Van Gualberto informou que também deve recorrer da decisão “porque foi imposto o regime aberto para o cumprimento da pena e, mesmo assim, a juíza manteve a prisão de João de Deus, em um nítido contrassenso, aplicou regime mais brando e impôs a prisão em regime fechado ao meu cliente”.

O médium está preso desde dezembro do ano passado, no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana da capital. Além dos abusos sexuais e do porte ilegal de armas, João de Deus é acusado de falsidade ideológica e corrupção de testemunhas. Apesar de a juíza determinar que ele cumpra a condenação fora da cadeia, ele segue detido por causa dos outros mandados de prisão que ainda estão em vigor.

Durante o depoimento à Justiça, em abril deste ano, Ana Keyla contou que só soube da existência de uma arma em sua gaveta de roupas íntimas no dia de seu depoimento sobre o caso à Polícia Civil, em 16 de dezembro. A esposa de João de Deus também afirmou que não tolera armas e não permitiria nenhuma em casa por causa da filha pequena.

Ana Keyla alegou que não morava mais na casa onde as armas foram encontradas e que a residência em questão era apenas “um ponto de apoio”. Segundo ela, desde quando João de Deus ficou doente, o casal vivia em Anápolis, cidade vizinha a Abadiânia.

Denúncias

O Ministério Público de Goiás ofereceu 12 denúncias contra João de Deus, sendo dez por crimes sexuais:

Oito por crimes sexuais: dessas, quatro já tiveram audiências realizada, quatro com audiências a marcar;

Uma por crimes sexuais, corrupção de testemunha e coação: em fase de de inquirição de testemunhas via carta precatória ;

Uma por crimes sexuais e falsidade ideológica: atualmente está em fase de inquirição de testemunhas via carta precatória;

Uma por posse ilegal de armas de fogo e munição: na fase de memoriais

Uma por apreensão de documentos, arma de fogo e munição, em Anápolis, que segue em segredo de Justiça


Você pode gostar
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *