fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Brasil

Google vai acelerar startups de jornalismo de dados, gênero e segurança pública

Esta é a primeira vez que o Google abre um processo de aceleração voltado para empresas jornalísticas

Avatar

Publicado

em

LGPD é tema de webinar – Lei Geral de Proteção de Dados no setor de infraestrutura
PUBLICIDADE

Beatriz Montesanti
São Paulo, SP

Empreendimentos dedicados a jornalismo de dados, questões de gênero e cobertura da segurança pública no Brasil estão entre as 10 startups selecionadas pelo Google para participar de um programa de aceleração, voltado exclusivamente para veículos jornalísticos. A lista foi divulgada nesta quinta (29).

O plano era que o Google News Initiative tivesse começado no primeiro semestre, porém o projeto foi adiado devido à pandemia. Agora, ele será realizado agora de forma online.

A partir de novembro até abril do ano que vem, os veículos receberão mentoria, treinamentos e workshops sobre modelo de negócio, levantamento de fundos, marketing e produto.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Também terão um investimento inicial de US$ 20 mil e, ao término do programa, vão apresentar suas propostas para potenciais investidores.

Esta é a primeira vez que o Google abre um processo de aceleração voltado para empresas jornalísticas -um similar está ainda em fase inicial nos Estados Unidos. “É um programa 100% brasileiro na concepção, o que abre espaço para novas possibilidades dentro do Brasil”, destaca Fabiana Zanni, gerente de parcerias e coordenadora do GNI Startup Lab no Brasil.

Ela explica que a iniciativa surgiu da percepção de que, embora o Google interagisse muito com veículos de imprensa, não tinha nenhum projeto focado no empreendedor. A ideia é usar conceitos já trabalhados no Google for Startups, programa de aceleração da big tech, para impulsionar as empresas, considerando também as peculiaridades do setor.

“Quando falamos de startup, falamos muito de crescimento em escala, o que não é replicável no jornalismo, mas acreditamos que podemos contribuir com alguns conceitos que já trabalhamos e são inerentes ao empreendedorismo”, diz Zanni.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Não é ensinar o jornalista a fazer jornalismo. As pessoas selecionadas já fazem melhor do que qualquer um seu trabalho, o que queremos fazer é acoplar o elemento de empreendedorismo para que elas encontrem novas formas de distribuir conteúdo, se desenvolver melhor e criar modelos de negócio inovadores.”

Para fazer a seleção entre mais de 200 inscrições, o Google levou em consideração empresas que tivessem uma clara proposta de valor, adequação ao produto e necessidades do mercado, qualificação de equipe e disposição para inovar.

Também foram levados em consideração critérios de diversidade e inclusão. Metade dos veículos selecionados tem mulheres entre os fundadores e um terço tem negros. Há veículos de cinco estados de três regiões do Brasil: São Paulo, Rio de Janeiro, Alagoas, Paraná e Espírito Santo.

Entre eles, está o Alma Preta, dedicado à questão racial, e AzMina, focado na questão de gênero. Alguns empreendimentos têm uma trajetória mais longa, caso da Ponte Jornalismo, que desde 2014 aborda direitos humanos e segurança pública no Brasil. Outros estão ainda estão em fase inicial, como o Núcleo Jornalismo, criado no começo deste ano e voltado para reportagens investigativas a partir de dados públicos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Estes são os veículos selecionados:

Agência BORI: conecta estudos inéditos de pesquisadores brasileiros a jornalistas.

Agência Tatu de Jornalismo de Dados: usa ferramentas e princípios do jornalismo de dados para a cobertura da realidade local de Alagoas.

Alma Preta: realiza reportagens, colunas, produções audiovisuais e ilustrações focadas na temática racial.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

AzMina: usa comunicação, tecnologia e jornalismo para combater a desigualdade de gênero.

Fervura: plataforma de notícias e entretenimento dedicada à questão climática.

Galápagos Newsmaking: une tecnologia, prática educacional, e valores de inclusão para falar de regionalismo e diversidade.

MyNews: canal de noticias no YouTube com foco em análise e pluralidade de ideias.

Núcleo Jornalismo: produz investigações a partir de dados públicos.

Ponte Jornalismo: focado na cobertura de direitos humanos com foco em temas de segurança pública, justiça, racismo, gênero e sistema prisional.

São Paulo para Crianças: ajuda pais a brincarem com seus filhos, ampliando opções de lazer, gerando negócios para o turismo e aumentando o uso dos equipamentos públicos.

As informações são da Folhapress




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade