fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Brasil

Fogo atinge lado brasileiro da Serra do Amolar e pode chegar à Bolívia

O fogo se concentra nas comunidades de Barra do São Lourenço, Comunidade Amolar, Comunidade Paraguai-Mirim e Comunidade do Castelo. Mas, apesar disso, nenhuma casa foi atingida

Avatar

Publicado

em

Imagem & credibilidade #047 - Enquanto as florestas queimam, começa o FlaXFlu das eleições municipais
PUBLICIDADE

Brigadistas correm contra o tempo para impedir que o fogo que atinge o lado brasileiro da Serra do Amolar – região do Pantanal entre Cáceres (MT) e Corumbá (MS) – chegue até o chaco boliviano, ao longo do Rio Paraguai. Duas aeronaves e ao menos 35 pessoas atuam no combate às chamas que já devastaram 10 mil hectares de vegetação nativa do local. O fogo pode atingir ainda três reservas naturais.

Conforme Letícia Lacher, coordenadora no Instituto Homem Pantaneiro (IHP), que está atuando no local em conjunto com outras instituições, o fogo que começou na sexta-feira, 25, está avançando em duas direções.

“Na direção sul, o fogo avança para a área da Fazenda Tereza e do Porto São Pedro, atravessando o rio. Essas duas já sofrem com os incêndios. Ao norte, sentido Baía do Taquaral, é onde está concentrada a maior parte do combate”, explicou.

O foco dos brigadistas que atuam na área da Baía do Taquaral é impedir, também, que o fogo atravesse para o lado da Bolívia, onde segundo Letícia, há uma área de proteção de 2 mil hectares do chaco. A partir desta segunda-feira, 28, duas aeronaves vão auxiliar nos trabalhos com o lançamento de água.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Temos equipes dos Bombeiros de MT, MS, Paraná, brigadistas voluntários e contratados, empenhados no combate do fogo. No domingo, um avião agrícola passou a auxiliar com água. Agora, o Governo do Estado de Mato Grosso do Sul está disponibilizando aeronaves grandes para atuarem em conjunto”, contou.

Riscos

O fogo se concentra nas comunidades de Barra do São Lourenço, Comunidade Amolar, Comunidade Paraguai-Mirim e Comunidade do Castelo. Mas, apesar disso, nenhuma casa foi atingida.

Letícia explicou que, desde o começo da ação na região, a preocupação foi com a população ribeirinha das comunidades tradicionais ao longo do Rio Paraguai. Apesar da exposição, elas não foram atingidas. “Estão todos a salvo. O primeiro combate foi isolar a área e proteger as casas”, disse.

Caso o fogo não seja controlado, nos próximos dias há risco de que áreas de Reserva Particular Patrimônio Natural (RPPNs), sendo elas, Penha, Acurizal e Rumo Oeste, sejam atingidas. Há focos de incêndio ainda no Parque Nacional do Pantanal, em Mato Grosso, que colocam em risco essas reservas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Estadão Conteúdo




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade