fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Brasil

Escolas privadas retomam aulas presenciais de forma escalonada no Maranhão

O documento prevê um retorno sequencial, das séries mais avançadas para as iniciais, por isso foram priorizadas as turmas das 3ª séries do nível médio

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Katna Baran
Curitiba, PR

Escolas da rede particular de ensino do Maranhão retomaram parte das aulas presenciais nesta segunda-feira (3). O retorno ocorreu cercado de medidas de prevenção ao novo coronavírus, com uso de máscaras e distanciamento entre as carteiras.

Voltaram às escolas apenas os alunos do 3º ano do ensino médio -os demais estudantes retornarão às atividades até o final do mês de forma escalonada.

Baseado em regras do governo estadual, o Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Maranhão (Sinepe-MA) elaborou um protocolo de medidas sanitárias para os seus colégios associados. A entidade não soube informar, porém, quantas escolas ou alunos foram impactados pela medida. A gestão do governador Flávio Dino (PCdoB) também não confirmou a extensão do retorno.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Nossa expectativa é a melhor possível, não temos até agora recebido nenhuma observação com relação a algum incidente que possa ter ocorrido no que diz respeito às instituições que iniciaram o retorno. Tivemos as melhores informações até agora”, declarou Paulino Pereira, presidente do Sinepe-MA.

ESCALONAMENTO

Um decreto estadual do final de junho autorizou a retomada das aulas presenciais nas instituições privadas, seguindo uma ordem. Os cursos de graduação e pós-graduação seriam os primeiros a retornar suas atividades. Depois, unidades de ensino médio e, na sequência, estudantes da etapa fundamental 1 e 2. A educação infantil só deve voltar numa quarta fase. Por último, estão as instituições de idiomas e cursos complementares.

O documento prevê um retorno sequencial, das séries mais avançadas para as iniciais, por isso foram priorizadas as turmas das 3ª séries do nível médio. O governo impõe ainda escalonamento de horário de entrada e saída de turmas e redução da quantidade de estudantes por sala, para respeitar o distanciamento mínimo de 1,5 metro entre as carteiras.

Os espaços de uso comum -como restaurantes e lanchonetes-, precisam ter sinalização de distanciamento. Alunos e funcionários também serão submetidos à medição diária de temperatura. O decreto abre a possibilidade de “rodízio” de estudantes e professores circulando nas escolas. Por enquanto, atividades esportivas estão proibidas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Já a rede pública estadual de ensino, que retornaria as atividades na próxima segunda-feira (10), teve o cronograma adiado. O governo voltou atrás após consultar estudantes do último ano do ensino médio e seus pais. A maioria deles se mostrou preocupada com a medida.

O Colégio Marista Araçagy foi um dos que receberam alunos do 3º do ensino médio em São José de Ribamar (32 km de São Luís) nesta segunda. A retomada gradual das aulas na unidade segue até 31 de agosto.

Na escola, o uso de máscaras é obrigatório e as temperaturas de técnicos, alunos e professores serão aferidas diariamente. A unidade também está equipada com álcool em gel em todas as salas. Pias ecológicas foram distribuídas nos pátios e áreas comuns para facilitar a lavagem das mãos.

O uso de ambientes comuns, como de bibliotecas, está restrito e os parquinhos e pátios serão utilizados com horários escalonados e higienizados diversas vezes ao dia. Os intervalos e recreios são intercalados, também como forma de evitar aglomerações.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As informações são da FolhaPress




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade