fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Brasil

Em 15 dias, Amazônia já tem mais fogo que em todo outubro de 2019 e 2018

O valor, porém, também já é superior aos registrados durante o mês inteiro em 2013, 2011, 2000 e 1998 (primeiro ano de registro)

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Phillippe Watanabe
São Paulo, SP

As queimadas de outubro na Amazônia já superam os registros de fogo do mesmo mês inteiro dos últimos dois anos.

O Programa Queimadas, do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), até o dia 15 deste mês, registrou 10.834 focos de fogo na Amazônia. O valor já é cerca de 38% superior em relação a 2019 – ano que teve a mínima histórica de fogo para o mês, após atuação das Forças Armadas na floresta entre o fim de agosto e setembro. A diferença é de somente 1%, por enquanto, em relação a outubro de 2018.

O valor, porém, também já é superior aos registrados durante o mês inteiro em 2013, 2011, 2000 e 1998 (primeiro ano de registro).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A situação dá continuidade ao que foi visto em meses anteriores.

Desde junho, o número de queimadas na Amazônia têm sido pior do que o registrado em 2019, ano que ficou marcado pela repercussão internacional dos incêndios provocados por pessoas no Brasil.

Somente e agosto teve registro oficial inferior ao de 2019, porém, um problema nos satélites ocorrido no início desse mês em 2020 provocou o subdimensionamento dos focos registrados. A situação do mês em questão, portanto, foi no mínimo igual, mas provavelmente pior, segundo reportagem da Reuters.

O que chama a atenção na situação atual é que, desde maio, a Operação Verde Brasil 2 alocou esforços militares na Amazônia e, mesmo assim, o fogo aumenta e o desmatamento se mantém em níveis elevados.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em alguns dias e ainda faltando pouco mais de dois meses para o fim do ano, o número total de queimadas no bioma em 2020 irá superar o valor registrado em todo o 2019.

Mesmo em meio a tais resultados, Hamilton Mourão, vice-presidente e chefe do Conselho da Amazônia, vem comemorando dados classificados por ele como positivos, como a redução no desmate (registrado pelo Deter, também do Inpe), nos meses de julho agosto e setembro. A diminuição, porém, ocorreu em relação a meses de recordes de destruição da floresta.

Por outro lado, Mourão já se mostrou incomodado com as notícias sobre o crescimento constante das queimadas. Recentemente, o vice-presidente chegou a falar que pessoas do Inpe estariam fazendo oposição ao governo Jair Bolsonaro (sem partido) e divulgando os dados negativos. Em seguida, afirmou que não sabia que as informações sobre queimadas eram públicas.

As informações são da FolhaPress

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade