fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Brasil

Diabética e hipertensa, aposentada supera o novo coronavírus

“Ela estava totalmente fraca, quase sem condições de andar. Eu a levei quase arrastando para o hospital”, lembra a filha

Avatar

Publicado

em

Foto: Arquivo Pessoal
PUBLICIDADE

Claudinei Queiroz
São Paulo, SP

No final de abril, dona Lavínia Batista Mota Flávio, 76 anos, já apresentava os sintomas da Covid-19, com tosse, febre, dor no corpo e falta de apetite, provocada pela ausência de paladar e olfato. Vendo a situação da mãe se complicar, a filha, Maria Joana, 45, a levou para o Hospital São Vicente de Paulo, em Jundiaí (a 57 km de São Paulo).

“Ela estava totalmente fraca, quase sem condições de andar. Eu a levei quase arrastando para o hospital”, lembra Joana.

Mesmo assim, na primeira consulta, dia 18 de abril, o médico disse que dona Lavínia estava com pneumonia, receitou antibióticos e a mandou para casa, dizendo que se não melhorasse em cinco dias era para voltar ao hospital. Como não houve melhora, a filha novamente a levou no dia 24 e a aposentada ficou internada por dez dias.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Pela idade e por sofrer com diabetes e hipertensão, ela faz parte do grupo de risco do novo coronavírus, um motivo a mais para ser monitorada.

“Durante a internação, deram o diagnóstico que era Covid. E logo no primeiro dia já me deram um documento para assinar autorizando o uso da cloroquina. Assinei e ela ficou no isolamento, sem precisar ir para a UTI (Unidade de Terapia Intensiva)”, conta Joana, explicando que a mãe tomou oxigênio apenas por cateter no nariz.

Após a alta hospitalar, dona Lavínia passou para a internação domiciliar, usando oxigênio apenas para dormir. Segundo Joana, um médico do hospital vai até a residência em uma ou duas semanas para avaliar a condição da paciente e, provavelmente, retirar o oxigênio, já que ela está bem melhor, sem os sintomas iniciais.

Sobre a forma de contágio, a filha acredita que tenha sido por algum membro da família, que precisa sair para fazer compras ou trabalhar. Na casa, além de dona Lavínia, moram a filha com o marido e três filhos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Ela mesma não sai de casa, mas a gente precisa sair, precisa colocar comida na casa. Sempre tomamos os cuidados necessários, mas aconteceu”, diz Maria Joana, destacando que todos os moradores ficaram com sintomas de gripe nesse período, mas não chegaram a realizar testes da Covid-19.

As informações são da FolhaPress




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade