fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Brasil

Dia do Professor: docentes inovam para se aproximar de alunos em meio à pandemia

Música, grupos de WhatsApp, dinâmicas pela casa… vale tudo para manter o bom relacionamento. É assim que os docentes do Sesi têm agido

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Professores do Serviço Social da Indústria (Sesi) têm tentado inovar para não deixar que os alunos se sintam dispersos com o ensino a distância no período da pandemia do novo coronavírus. Docentes se reuniram para propor o Novo Ensino Médio, que inclui educação profissional e o ensino de matérias por áreas de conhecimento.

Foi o caso do professor Sérgio Provetti, do Espírito Santo. Pioneiro na implementação do Novo Ensino Médio, ele é responsável pela parte profissionalizante do curso de eletrotécnica. Com a pandemia, Sérgio se viu diante do maior desafio da vida profissional: ensinar eletrotécnica sem a presença dos alunos.

O professor, então, elaborou a seguinte atividade. Pediu aos estudantes que tirassem a medida da planta baixa da casa de cada um para, a partir de uma escala, fazer cálculos de razões e proporções. “Os alunos puderam avaliar a rede elétrica de suas próprias residências. Com a trena mediram todos os cômodos, botaram no papel e calcularam tudoA gente provoca eles na seguinte situação: vamos ver se sua casa está nos padrões técnicos, e aí eles verificaram as tomadas, as instalações e gostaram muito”, comemora. 

A distância que acabou aproximando  

A professora de inglês e português Adriana, que buscou parceria com outros países para estimular os alunos a falar inglês, também criou grupos de WhatsApp para se comunicar com os estudantes. Ela conta que eles passaram a fazer parte da vida dela. “Eles só conheciam a Adriana professora, agora, conhecem também a Adriana mãe e a Adriana dona de casa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Já a professora de Biologia Waneyma Mendes, do Sesi de Feira de Santana-BA, dá aula para estudantes dos 1º, 2º e 3º anos. “Eles não participavam, tinham vergonha de ligar o vídeo ou até de falar”, explica. Foi aí que a professora teve uma ideia: tocar música antes de começar a aula. “Comecei com música clássica, que é o que eu gosto. Mas aí eles foram se animando e eu abri para cada um poder pedir música”, conta.

Ferramentas tecnológicas, plataformas e outras formas digitais já faziam parte da realidade da vida de muitos alunos e professores da rede Sesi. A partir daí, durante a pandemia, criou-se a missão de ajudar aqueles alunos com dificuldade de acesso.  

“Eles mostraram ter capacidade para lidar com mudanças, inovação e alta adaptabilidade, além do engajamento de seus estudantes em um novo ambiente de aprendizagem”, elogia o gerente de Educação Básica do Sesi, Wisley Pereira.  




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade