fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Brasil

Brasil acompanha situação na Itália, diz Ernesto Araújo

O governo italiano colocou ontem ao menos 11 cidades no norte do país sob quarentena numa tentativa de conter a propagação do vírus

Avatar

Publicado

em

Foto: Valter Campanato/ Agência Brasil
PUBLICIDADE

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, afirmou que o Brasil está acompanhando a situação do novo coronavírus na Itália e seguirá as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS) para evitar que a epidemia chegue ao País. “Não faríamos nada isoladamente”, disse o ministro ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, nesta segunda-feira, 24

Segundo o chanceler, o acompanhamento está sendo feito por meio do Ministério da Saúde. Após surgir na China e provocar mais de 2.500 mortes no país asiático, os casos do novo coronavírus começaram a se propagar com velocidade na Itália. Foram ao menos 219 casos registrados e seis mortes, segundo os últimos relatos

Diante da situação, o governo italiano colocou ontem ao menos 11 cidades no norte do país sob quarentena numa tentativa de conter a propagação do vírus.

Mais cedo, ao Broadcast, o embaixador do Brasil em Roma, Helio Vitor Ramos Filho, afirmou que tem feito relatos diários ao governo brasileiro sobre a situação do novo coronavírus no país europeu.

“Desde a primeira incidência, temos feito relatórios diários para Brasília, sobre o tratamento da doença na Itália e todas as orientações que os italianos estão comunicando”, disse Ramos Filho.

Araújo confirmou que tem recebido os relatórios e que não há qualquer recomendação para que brasileiros não viagem à Itália, mas que seguirá as orientações da OMS para eventuais restrições de circulação.

Por enquanto, o embaixador do Brasil em Roma afirmou que ainda não há sugestão para que as pessoas deixem de visitar a Itália.

Nesta segunda, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, considerou “profundamente preocupante” o aumento de casos de coronavírus registrado na Itália, no Irã e na Coreia do Sul.

Em pronunciamento nesta segunda-feira, ele disse que há especulação de que esses casos em novos países podem significar que o avanço do vírus já caracteriza uma pandemia. “No momento, não vemos avanço global incontido do vírus e não vemos mortes em alta escala”, disse ele. “O vírus tem potencial pandêmico? Com certeza. Estamos lá? Achamos que ainda não.”

 

Estadão Conteúdo


Leia também
Publicidade