fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Brasil

Barbosa comemora estabilidade no grupo

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

O técnico da seleção brasileira, Antonio Carlos Barbosa, prefere não usar o termo evolução, mas comemora o salto de qualidade dado pela equipe desde sua estréia no Campeonato Mundial feminino de basquete, terça-feira da semana passada. "Não é que o time cresceu. Eu diria que ele voltou a jogar aquilo que sabe no momento certo", analisa.

A equipe passou às quartas-de-final na terceira posição do grupo E. A seleção terminou empatada com a Espanha em 10 pontos, mas perdeu no confronto direto o que deixou as européias com a segunda posição da tabela. A liderança coube à Austrália, que permanece invicta no torneio. Em quarto, passou a Lituânia.

"Não tinha dúvidas que a equipe chegaria bem", diz Barbosa sobre o desempenho nacional até o momento. O Brasil sofreu duas derrotas na competição. Perdeu na primeira fase para a Austrália e nas oitavas-de-final para a Austrália. "A equipe sentiu o primeiro jogo (contra a Argentina, quando venceu por apenas um ponto), mas melhorou contra a Coréia. Contra a Espanha eu não digo que fizemos uma partida ruim, só acho que tivemos um aproveitamento baixo. A seleção vem em um processo, melhorando jogo a jogo em termos táticos e de coordenação".

A análise conta com o apoio da técnica Allison McNeil, responsável pelo Canadá, e que elogiou muito o desempenho tático brasileiro após o último jogo das oitavas-de-final quando a seleção superou sua equipe por 82 a 41. "Acho que estão melhores a cada jogo. Fiquei impressionada com a rapidez nas mudanças de jogada com a agilidade para se adaptar ao que nós estávamos fazendo", diz.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Fico muito contente com a percepção dela. Aqui no Brasil só vêem os defeitos e lá fora reconhecem as qualidades", desabafa o treinador brasileiro. "Chegamos em um ponto crucial. Individualmente, todas também estão progredindo e a defesa está consistente e boa", ressalta, lembrando que a defesa brasileira sofreu pouco mais de 40 pontos contra o Canadá. "Não acho que estejamos marcando mal".

Pensando já nas quartas-de-final, quando o Brasil enfrenta a República Tcheca a partir das 15h15, no ginásio do Ibirapuera, Barbosa diz que não há mistérios. "Temos que trabalhar a equipe com tranquilidade. O campeonato começa nesta quarta, mas acho que estamos com um saldo bom nestes jogos".




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade