fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Brasil

Banco do Nordeste expôs dados pessoais de 3.500 clientes

O BNB negou que o link estivesse acessível no site da instituição e acrescentou que o acesso aos dados agora está bloqueado

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Paulo Muzzolon e Tássia Kastner
São Paulo, SP

O Banco do Nordeste tornou públicos mais de 3.500 pedidos de crédito solicitados por pequenos empresários, acompanhados de dados pessoais. A falha no site ficou disponível pelo menos desde quinta-feira (9) e as informações foram retiradas do ar nesta segunda (13).

O Banco do Nordeste negou que o link estivesse acessível no site da instituição e acrescentou que o acesso aos dados agora está bloqueado. Segundo nota divulgada pela assessoria de imprensa do banco, foi instaurado um procedimento interno para apuração das falhas, “inclusive de possível desvio de conduta por vazamento de informação”.

O Banco Central, que regula o setor, diz que não comenta casos específicos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A reportagem teve acesso ao link por uma pesquisa no Google. Por meio desse endereço, chegou a uma base de dados de 3.500 clientes que solicitaram crédito na instituição pela internet. Parte dos pedidos havia sido aprovada.

O site do banco tem um formulário em que contratantes preenchem dados pessoais e aguardam contato de um funcionário da instituição para concretizar o empréstimo.

Os campos preenchidos têm nome, telefone e email do solicitante, a linha de crédito de interesse, o CNPJ da empresa, o faturamento anual e um campo em que a pessoa detalha o pedido.

Boa parte das solicitações era de crédito para capital de giro, mas alguns empreendedores foram bastante específicos: “ajuda para não fechar” foi uma das explicações para o pedido de crédito. Mais de um pedido citava a crise causada pela pandemia do novo coronavírus.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A reportagem conversou com alguns desses pequenos empresários. Eles confirmaram ter solicitado empréstimos pela internet e se queixaram da divulgação dos dados pessoais.

“O banco errou bastante”, afirmou um empresário de Olinda. Ele afirmou ter pedido crédito para abrir um novo negócio, já que atuava no segmento de food trucks. Eles estão parados na pandemia.

A avaliação negativa foi repetida por pequenos empresários de outras cidades do norte e nordeste do país.

Uma empresária de Natal afirmou ter tido o crédito negado e acrescentou “não achar correto” a divulgação de dados pessoais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Apesar das medidas tomadas pelo Banco Central, persistem as queixas de empresários de dificuldade de acesso a crédito desde o agravamento da doença no país.

Quem teve acesso a crédito relatou aumento nas taxas de juros.

O Banco do Nordeste é o maior operador de microcrédito do país e atende empreendedores da região.

No começo de junho, foi indicado para a presidência da instituição Alexandre Cabral, que tomou posse no dia 2 de junho, mas perdeu o posto no dia seguinte. Ele era indicado dos partidos do centrão, mas é alvo de investigação do TCU (Tribunal de Contas da União) que apura supostas irregularidades em contratações quando era presidente da Casa da Moeda, instituição que ele comandou entre 2016 e 2019.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As informações são da FolhaPress


Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade