Siga o Jornal de Brasília

Brasil

Atenção! Golpe no WhatsApp oferece vagas de emprego no Samu

Publicado

em

Publicidade

Nesta semana, uma fila de quase 20 horas para entregar currículos em um mercado no Itapoã escancarou a busca pelo emprego no Distrito Federal. A realidade, porém, não se limita ao quadradinho. Todo o País enfrenta a crise do desemprego e criminosos usam da vulnerabilidade para aplicar golpes, ao anunciar vagas inexistentes. Desta vez, circula pelo WhatsApp uma mensagem falsa que oferece vagas de trabalho para o Serviço Móvel de Urgência (Samu).

No texto, os criminosos oferecem uma remuneração de até R$ 3.348,21 e pedem para que os interessados cliquem em um link para participar do suposto processo seletivo. Além do salário, não há qualquer detalhe da vaga, como localidade e horário.

Reprodução

No desespero pelo emprego, muitos se esquecem de que o Samu é um serviço público e, por isso, para fazer parte da equipe é preciso participar de concurso e atender alguns requisitos. “Algumas pessoas menos atentas acabam ignorando este fato e acessam um dos endereços maliciosos em busca das ‘vagas de emprego’ ofertadas pela campanha”, alerta um comunicado da Eset, empresa especializada em detecção de ameaças.

Entenda como o golpe funciona, segundo a Eset:

Ao acessar o link, a vítima é direcionada para outra página que apresenta uma mensagem informando que o site de destino foi movido para um novo endereço. A nova página pede que dados sejam preenchidos para que o suposto processo seletivo tenha continuidade, não sendo possível prosseguir sem o preenchimento dos mesmos.

Reprodução

Após o preenchimento das informações, a vítima é direcionada a outra página neste mesmo site onde a mensagem exibida solicita que, para que o usuário comprove que não é um robô, a vaga seja encaminhada manualmente para 10 pessoas ou grupos no WhatsApp, prometendo direcionar o usuário a um site onde poderá enviar seu currículo ao final deste processo.

Reprodução

Para aumentar a credibilidade aparente da fraude, diversos depoimentos falsos foram incluídos na parte inferior da página. Todos os comentários estão fixados no código do site e, apesar de se assemelharem a comentários do Facebook, foram forjados.

Reprodução

Analisando o código fonte do site é possível observar uma função que contabiliza a quantidade de vezes que o botão “compartilhar” foi acessado. Ao ser acessado pela décima vez, mesmo que nenhum compartilhamento tenha sido feito no WhatsApp, a vítima é direcionada para um outro site falso. Em testes foi observado que o usuário era direcionado para dois sites distintos.

Após análise de ambos os sites, ficou claro que o objetivo dos cibercriminosos é obter retorno financeiro através de anúncios dispostos em todas as páginas.

Apesar de um dos sites permitir que um cadastro simplório seja realizado, nenhum deles permite que currículos sejam enviados e muito menos exibem informações concretas sobre as vagas ofertadas.

Reprodução


Mantenha-se seguro

Com a crescente incidência de golpes via WhatsApp, manter-se seguro exige atenção constante e atitudes seguras na Internet. A Eset listou abaixo algumas dicas de segurança para que os usuários possam evitar ataques deste tipo:

» Não acesse links que aparentemente sejam suspeitos;
» Procure sempre avaliar a credibilidade e a fonte das informações;
» 
Não divulgue informações a pedido de sites ou e-mails;
»  
Evite fazer cadastros em sites pouco conhecidos;
»  Tenha fontes de proteção sempre ativas e atualizadas em todos dispositivos que contam com acesso à Internet;
»  
Tenha cautela ao baixar/acessar qualquer tipo de arquivo na Internet.

 

Fonte: Da Redação, com informações da Eset 


Você pode gostar
Publicidade