fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Brasil

Anvisa libera retomada dos testes da Coronavac

Trabalho havia sido paralisado no início da semana, em decisão polêmica, após voluntário sofrer evento adverso grave que não teve relação com a vacina

Willian Matos

Publicado

em

Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) anunciou, nesta quarta-feira (11), a retomada dos testes clínicos da Coronavac, vacina em produção contra a covid-19. Produzida pelo instituto chinês Sinovac Biotech, a Coronavac tem como patrocinador no Brasil o Instituto Butantan, de São Paulo.

A Anvisa havia suspendido os estudos na última segunda (9) por conta de um “evento adverso grave” com um dos cerca de 10 mil voluntários da fase 3 dos testes da vacina. O Butantan recebeu a suspensão com estranheza e assegurou que o óbito não teve relação com o imunizante. Depois, a Polícia Civil de São Paulo afirmou que o paciente atentou contra a própria vida.

A agência se justificou dizendo que optou pela suspensão na segunda (9) porque não teria recebido informações completas sobre o evento adverso grave no paciente em questão. O órgão explicou que, no fim da noite de terça (10), o Butantan enviou o boletim de ocorrência que detalhava a causa da morte no voluntário.

Briga política

A suspensão gerou polêmica porque o presidente Jair Bolsonaro comemorou a suspensão dos testes. Na terça (10), Bolsonaro comentou a paralisação dos trabalhos da seguinte forma: “O presidente disse que a vacina jamais poderia ser obrigatória. Mais uma que Jair Bolsonaro ganha.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Bolsonaro tem travado embates com o governador de São Paulo, João Doria, por conta da vacina. Doria foi o primeiro governador a anunciar uma parceria para produção de uma vacina contra a covid-19. Depois, anunciou que a vacinação seria obrigatória, o que gerou respostas ásperas do presidente e o levou a cancelar a compra de 46 milhões de doses do imunizante.

“Morte, invalidez, anomalia. Esta é a vacina que o Doria queria obrigar a todos os paulistanos tomá-la”, afirmou o presidente, sem provas, na mesma publicação.




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade