fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Brasil

Alimentação saudável é aliada da imunidade alta

Sem poder sair de casa, pessoas confinadas optam por comidas que fazem bem

Pedro Marra

Publicado

em

PUBLICIDADE


A nutrição tem sido uma opção para aqueles que buscam manter a saúde em dia em tempos de pandemia do novo coronavírus. Com isso, mesmo não podendo sair de casa, as pessoas precisam se alimentar de forma saudável para controlar as taxas de imunidade, principalmente para pacientes do grupo de risco.

“A principal orientação é que mantenham uma alimentação saudável, reforcem a higiene do sono, incluam na dieta alimentos com caráter antioxidante, reveja a saúde intestinal, pois grande parte das células de defesa dependem de um intestino saudável, e bebam água”, orienta a nutricionista Gabryella Batista.

Segundo ela, alguns alimentos podem ajudar no fortalecimento da imunidade. “Fontes de zinco como chocolate amargo, castanha de caju, arroz integral. Fontes de vitamina C como laranja e mexerica; alimentos com vitamina A: queijos, ovo caipira, cenoura, mamão. Além de exposições ao sol com regularidade”, explica.

Paciente da nutricionista Gabryella há três anos, a moradora do Cruzeiro Velho, Edilza Ribeiro, 59 anos, faz parte do grupo de risco do covid-19. Ela está em recuperação de um câncer de mama, que se curou em 2016. Além disso, ela possui fibrose pulmonar, doença crônica e rara, causada pelo surgimento de cicatrizes nos pulmões, fazendo com que os tecidos pulmonares fiquem rígidos, o que dificulta a respiração com o tempo. Com isso, sintomas do coronavírus como tosse seca e falta de ar são comuns. Mas Edilza toma injeções a cada oito dias para controlar os níveis de oxigênio no corpo.

“Está sendo difícil para a gente, porque o meu pai tem 88 anos, e está no grupo de risco. E minha imunidade não é muito boa por causa dos meus históricos. Devido a isso, fui orientada pela nutricionista para melhorar na minha alimentação e comer comidas saudáveis. Alimentos e sucos naturais à base de vitamina C. Além de ter uma alimentação rica em proteína, a Dra. Gabryella indicou alguns chás, como camomila, erva doce e hibisco”, relata.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Como tem dificuldade para falar e se locomover devido ao processo de reabilitação do câncer, Edilza redobra a atenção durante a quarentena em casa para evitar o contato direto com os familiares. “A gente está tomando distância um do outro. Temos lavado as mãos com frequência, e usamos álcool em gel. Não nos abraçamos, principalmente por causa de mim, por estar no grupo de risco. O meu filho tem que sair para trabalhar. Então, além dele, a gente está tendo a solidariedade da família e dos amigos para trazer as compras do mercado para a gente”, conclui.

Além dos alimentos, ingerir muito líquido é uma das formas de manter o corpo saudável e protegido. “A adequada hidratação corporal é um dos principais pilares que permitem a defesa imunológica contra infecções gerais, como também no caso do coronavírus. Sucos de frutas, picolés naturais e frutas apresentam maior quantidade de água em sua composição, e são excelentes formas de se manter hidratado”, complementa a nutricionista Gabryella Batista.

Imunidade

A advogada Priscila Machado, de 31 anos, já foi portadora de linfoma não Hodgkin (LNH), um tipo de câncer com origem nas células do sistema linfático e que se espalha desordenadamente pelo corpo. Ela terminou os tratamentos de quimioterapia e radioterapia em setembro, além de ter feito um transplante de medula óssea em julho.

“Eu ainda não posso comer algumas coisas, então sou acompanhada por minhas nutricionistas. Mantivemos a minha dieta com foco no aumento da minha imunidade nesse momento, tanto que vejo a diferença em meus exames. As minhas nutricionistas me indicam folhosos verde escuros, gengibre, açafrão, inhame, leguminosas, oleaginosas, e acima de tudo uma variação alimentar quanto ao tipo de frutas e vegetais”, esclarece a advogada.

Ela, que mora em Águas Claras com os pais, também tem recebido ajuda externa para fazer compras do mercado. “Meu irmão e uma amiga têm feito as compras para nós, pois como somos todos aqui do grupo de risco, então não estamos saindo de casa. Tenho aproveitado para tentar convencê-los a fazer uma alimentação mais balanceada neste momento, pois ficamos muito ansiosos dentro de casa o tempo todo. Somos os três do grupo de risco do coronavírus, então estamos tomando cuidado redobrado”, afirma Priscila, que tem um pai idoso e a mãe hipertensa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Asbran

A Associação Brasileira de Nutrição (Asbran) disponibilizou um guia para uma alimentação saudável em tempos de covid-19. Algumas orientações foram elencadas. “Inclua as crianças no planejamento, limpeza e preparo das refeições; Faça dos alimentos in natura a base da sua alimentação; não deixe de comprar com antecedência, pois muitas lojas precisam de um ou dois dias desde o pedido até a entrega; Limite as compras de alimentos industrializados, como batatas fritas, refrigerantes, biscoitos e sorvetes. A maioria é rica em sódio, gordura trans e calorias”, diz a cartilha.

Após servir as refeições, a Asbran recomenda que os alimentos que estão na panela precisam ser armazenados em potes fechados na geladeira. “Observe a validade nas embalagens de leite fresco. Caixas ou latas em pó têm maior durabilidade”, alerta a associação.


Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade