Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Torcida

Tour de France: uma etapa para o livro de história, já que a camisa amarela dá asas ao extraordinário Wout van Aert

Depois do tipo de passeio que faz as crianças sonharem, van Aert teve tempo para celebrar sua impressionante vitória de etapa com os braços estendidos como as asas de uma gaivota

Por Fabrício Lino 05/07/2022 2h26
Foto: Divulgação

Matt Rendell
Especial para o Jornal de Brasília

Calais, 5 de julho: Wout van Aert, do Team Jumbo Visma, já líder do Tour de France após terminar em segundo lugar nas três primeiras etapas, venceu nesta terça-feira (5) a etapa 4 em uma performance inspiradora entre as duas cidades portuárias francesas de Dunquerque e Calais, através de um interior de colinas baixas e ondulantes.

Com 25 dos 171,5 km ainda por percorrer, os corredores terminaram sua excursão no interior e voltaram para a costa. Na subida final do dia, o Cap Blanc-Nez, olhando os penhascos brancos de Dover ao outro lado do Canal da Mancha, os companheiros de equipe de van Aert, Nathan Van Hooydonck e Tiesj Benoot, entregaram a camisa amarela ao topo da subida final a tal velocidade que ninguém pôde ficar com ele. Após um olhar sobre seu ombro esquerdo, van Aert se comprometeu com uma prova de tempo final, 11,5 km a solo. Foi um plano audacioso, e perfeitamente executado por toda a equipe do Jumbo Visma. Depois do tipo de passeio que faz as crianças sonharem, van Aert teve tempo para celebrar sua impressionante vitória de etapa com os braços estendidos como as asas de uma gaivota.
Ele venceu a etapa por oito segundos.

https://twitter.com/LeTour/status/1544367076395081740

A etapa havia começado quatro horas e um minuto antes quando o portador de outra camisa distintiva, o líder dinamarquês das montanhas Magnus Cort (EF Education-EasyPost), que já havia passado 139 km atacando na etapa 2 e 129 km na etapa 3, acelerou para longe do pelotão após 1 km. Cort tinha vencido todos os seis pontos de montanha da prova até então. Antes da etapa, ele disse à televisão dinamarquesa que seu alvo para o dia era cinco dos seis pontos de montanha. Isso lhe daria um total de 11, que ele acreditava ser suficiente para garantir a camisa até pelo menos a etapa nove.

Ele foi acompanhado em seus esforços pelo simpático Anthony Perez (Cofidis), que liderou brevemente a mesma competição do Tour de France na etapa 3, em 2020. Um furo em uma subida permitiu que seu rival mais próximo, Benoit Cosnefroy, assumisse a liderança. Cosnefroy pegou a camisa e a vestiu por 15 dias, tornando-se conhecido internacionalmente. Perez permaneceu nas sombras. Pior, ele começou a descida seguindo o carro de seu diretor da equipe Cofidis, mas quando o carro teve que frear com força devido ao trânsito, Perez bateu no carro, depois na parede de pedra na beira da estrada e sustentou duas costelas fraturadas, um pulmão colapsado, hematomas por toda parte e cortes no joelho e nas costas.

Hoje, na primeira subida do dia, Cort igualou a façanha de Martín Bahamontes, o grande escalador espanhol dos anos 50, ao vencer as primeiras sete subidas da corrida. Pouco depois, com 139 km para percorrer, a rota da prova traçou uma inversão de marcha, expondo o pelotão aos ventos laterais do norte-noroeste. Os corredores da equipe Quick Step Alpha Vinyl impuseram um ritmo sufocante na frente, dividindo o pelotão em três grupos. Mas, após oito quilômetros frenéticos, a corrida voltou a se unir.

Com 105,5 km para percorrer, a vantagem dos dois corredores do breakaway chegou a 7 minutos, e 7m30s com 90 km para percorrer.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No sprint intermediário, no km 63,2, Perez conquistou a pontuação máxima, enquanto Fabio Jakobsen ousou ultrapassar a camisa amarela Wout van Aert para ocupar o terceiro lugar.

Com cerca de 60 km pela frente, várias equipes, entre elas Trek-Segafredo, Lotto-Soudal e Alpecin-Deceuninck, começaram a marcar um ritmo suficientemente alto no terreno montanhoso para colocar os sprinters mais pesados – Groenewegen, Jakobsen e Philipsen, entre eles o primeiro – em dificuldade, para favorecer as chances de Mads Pedersen e Mathieu Van Der Poel. O sótão jogou nas mãos do líder da corrida Van Aert, em estado de graça.

Após a quinta das seis subidas de categoria, Cort e Perez falaram. Depois, faltando 44 km, o francês se atreveu a ir sozinho. Mas a equipe Jumbo Visma e seu extraordinário líder, Wout van Aert, não foram negados, e Pérez teve que se contentar em desempenhar um papel de camafeu em um palco que ficará na história do ciclismo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar