Siga o Jornal de Brasília

Sem Firula

Sem explicação



Palmeiras e Corinthians protagonizam, atualmente, o clássico de maior rivalidade no futebol paulista.
Nos últimos anos, os dois andaram dividindo os holofotes do futebol brasileiro com repetidas conquistas nacionais.
O Verdão é, hoje, ao lado do Flamengo, um dos times de maior investimento e favorito a conquistar todos os títulos que disputa.
O Timão arrasta multidões onde quer que jogue, de que forma for.
Mesmo assim, a Federação Paulista de Futebol programou para este sábado o Derby, como é conhecido o duelo entre Palmeiras e Corinthians.
Dá para entender?
O domingo, dia nobre do futebol no Brasil, foi ignorado pela Federação Paulista que marcou o clássico da rodada para sábado – no domingo, na capital paulista, teremos São Paulo x São Bento, no Pacaembu.
É óbvio que a Allianz Arena estará lotada. Mesmo com a imbecil e covarde decisão de ser um jogo de uma só torcida.
O que não tem explicação é realizar o jogo num sábado.
Ah… O Palmeiras lidera o grupo B e, se bater o Corinthians, deixará o rival em situação ainda mais complicada no C – até agora o Timão está fora da área de classificação para o mata-mata.

De volta
Vasco e Fluminense jogarão, neste sábado, no Mané Garrincha, em Brasília.
Estes jogos de equipes de outros estados, seja pelos estaduais, seja pelo Brasileiro, têm sido a fórmula encontrada para que o estádio tenha utilização e não se transforme em ruínas, depois da Copa do Mundo de 2014 – importante ressaltar que para a Copa América a capital de todos os brasileiros não foi escolhida como sede.
A partida está marcada para 19h (horário de Brasília), o que fez com que todos os demais jogos do grupo B do Campeonato Carioca sejam realizados no mesmo horário, tentando-se manter a falácia do equilíbrio técnico.
A menos que o leitor acredite no coelhinho da Páscoa, em Papai Noel e na honestidade de todos os políticos (há os que efetivamente o são), não dá para imaginar que o Volta Redonda, que receberá a Portuguesa em seu estádio, consiga tirar a vaga do Fluminense (o tricolor já tem dez pontos ganhos e dez gols de saldo, enquanto o time da Cidade do Aço está com sete pontos ganhos e déficit de gols de um, ou seja, precisaria golear e torcer por uma goleada vascaína).
Resumindo: as outras duas partidas (completa o grupo o jogo Madureira x Americano) poderiam ser realizadas em outros horários, sem prejuízo algum para ninguém.
No mais, torcer para que o Mané Garrincha esteja cheio e os torcedores possam ver um bom jogo.
Estávamos todos com saudades de um joguinho legal em Brasília.

Pelo caminho
Jogar em Brasília tornou-se um duplo bom negócio para Vasco e Fluminense.
Os dois receberão uma cota fixa (comenta-se R$ 400 mil cada um), livres de despesas.
De quebra, já estarão no meio do caminho para seus jogos pela Copa do Brasil, no meio da próxima semana.
O tricolor irá ao Piauí e o time de São Januário, à Bahia.
Como as conexões deveriam ser feitas justamente em Brasília…
Nem Vasco, nem Fluminense, voltarão à Cidade Maravilhosa, embarcando direto para seus compromissos.

Cartolas
Afundado em dívidas, com reiterados problemas de atraso de pagamento, o Fluminense anunciou a contratação de Paulo Henrique Ganso.
De acordo com as informações oficiais, o clube nada pagará pelos direitos econômicos do jogador, que teve seu contrato rescindido pelo Sevilla.
Mesmo assim, serão R$ 22 milhões por um contrato de cinco anos de duração.
Como os cartolas tricolores explicarão isso para os jogadores que compõem o elenco e sofreram, no ano passado, com os atrasos de pagamento?
De onde estaria saindo este dinheiro?
Depois não sabem porque o futebol brasileiro se encontra na situação em que está.

Você pode gostar
Publicidade