fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Sem Firula

Inveja

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

O futebol está de férias no Brasil.

Acontece.

Todo trabalhador – e o jogador de futebol é um trabalhador – tem direito a 30 dias de férias, todos os anos. Está na lei.

Mas para quem ama o danado do futebol, ficar um mês inteiro apenas olhando os jogos dos outros…

Nesta quarta-feira, por exemplo, tivemos praticamente uma rodada inteira do Campeonato Inglês.

Digo praticamente porque uma partida ficou para esta quinta-feira (Southampton x West Ham).

E isso depois de dez jogos terem sido realizados sexta, sábado e domingo (antes do Natal), outros dez estarem programados para sábado e domingo que vêm, e mais estarem previstos para terça, quarta e quinta da próxima semana – isso mesmo, dia 1º de janeiro a Inglaterra irá nos brindar com três jogos de seu torneio nacional.

Não é espetacular?

Além do frio, da neve, das ruas iluminadas, o turista que estiver viajando pelas terras da rainha terá direito a futebol no dia 1º de janeiro.

Poderá curar a ressaca esfregando as mãos e gritando pelos gols de seu time.

Enquanto isso, por aqui…

Repito: sei e defendo as férias para todos os trabalhadores.

Gostaria, porém, que me explicassem: neste ano que está se acabando, os torneios de futebol foram interrompidos.

Não seria justo que a interrupção fosse considerada como férias?

Se não integralmente, pelo menos uma parte?

Não estou sendo cruel com ninguém, não, mas…

O pior, ou sendo mais prático, o mais curioso, é que times que encerraram suas atividades mais cedo, já estão se preparando.

Sim, só se mantiveram em atividade as equipes da Série A nacional. As demais já estavam de férias.

Se entraram mais cedo, voltam antes – e por isso temos, pelo menos no início da temporada, alguns disparates com resultados estranhos acontecendo.

Antes de me acusem de feitor ou escravocrata, vou voltar ao tema da coluna: a inveja por ver outros países com seu futebol e nós aqui, chupando o dedo.

Quem tem o prazer de assinar as chamadas tevês a cabo poderá, no dia 1º, enquanto espera o enterro dos ossos do reveillon ir para a mesa, curtir nada menos do que quatro partidas seguidas do Campeonato Inglês.

Não é um torneio de várzea qualquer, é um dos principais campeonatos do mundo.

Tenho ou não o direito de sentir inveja?

Mercado

Não dá para falar muito de movimentação de jogadores enquanto o mercado europeu não for aberto, na chamada janela de janeiro.

Pode-se, porém, avaliar algumas situações no mínimo curiosas.

O Flamengo, com dinheiro, diz que tentou Felipe Mello, do Palmeiras – que também está com grana.

Não levou, pelo menos até agora.

O rubro-negro diz que quer Gabigol, cujo empréstimo ao Santos está terminando.

Diz que quer, mas não faz oferta – diz que quer, mas não faz oferta. Pelo menos que se saiba.

Especulam, ainda, os cartolas rubro-negros, o retorno de Wagner Love. Tão veterano quanto Felipe Mello.

O Grêmio diz que quer negociar Luan com o Cruzeiro, numa troca por Thiago Neves e mais uma grana. Ou jogadores.

Mas… Não era Luan, até uns quatro meses, a joia da coroa gremista? O jogador que iria render mundos e fundos?

Estranho, não é mesmo?

Será que algo aconteceu na relação entre o treinador Renato Portaluppi e a ex-estrela?


Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade