fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Professor M.

Hiperlocalismo: o varejo focado e geolocalizado

O Hiperlocalismo permite às organizações um varejo focado e posicionado, buscando potencializar a assertividade negocial das empresas.

Prof. Manfrim

Publicado

em

PUBLICIDADE

 

Um conceito do Jornalismo ganhou força nos últimos anos nos negócios como ferramenta estratégica organizacional, especialmente no varejo: o hiperlocalismo, focado e geolocalizado.

O hiperlocalismo pode ser entendido como a tendência do jornalismo em explorar temas e discussões de interesse local organizado por regiões, cidades ou bairros [1].

Dessa forma, hiperlocalismo são ações de produção de notícias, relato de fatos e acontecimentos locais de interesse mais próximo dos leitores, muitas vezes conteúdos produzidos pelos próprios moradores e cidadãos do território em foco.

No setor de alimentação, significa realizar a produção de alimentos o mais próximo possível do consumidor, geograficamente pertos entre s – produtores e consumidores. Nos artigos ‘Inovadores, Empreendedores e o valor para o consumidor – I’ e ‘Inovadores, Empreendedores e o valor para o consumidor – II’ abordamos um pouco esse aspecto.

No setor imobiliário, hiperlocalismo consiste em ações que tornam o morador local o centro da autoridade de um determinado território, o maior especialista e autoridade daquela localização.

No mundo corporativo, hiperlocalismo compreende ações de negócios e (ou) desenvolvimento de produtos e serviços de forma extremamente localizada e excessivamente focada, o que muitos chamam de ultra nichada; de nicho, um determinado recorte de um segmento de mercado.

Outra característica do hiperlocalismo é nichar o produto/serviço pela localização geográfica do cliente ao invés do perfil, característica, aspecto ou atributo do consumidor.

A internet e o hiperlocalismo

A princípio, parece um contrassenso o conceito de desenvolver ações de venda de produtos e serviços de forma extremamente focada e excessivamente localizada, em um mundo onde impera o objetivo de se atingir o máximo possível de pessoas, como por exemplo com a utilização da internet e das redes sociais.

Em um universo organizacional onde os recursos são aplicados para se alcançar o maior número possível de clientes, pensar em ações tão específicas para um grupo pequeno de clientes parece ser incoerência e contradição.

Contudo, a visão de tratar os clientes diferentes de forma diferente e os iguais de maneira igual nos negócios se aplica ao hiperlocalismo, tendo em vista o foco nos nichos, o olhar nichado.

A tecnologia atual já nos permite determinar o perfil, característica, aspecto ou atributo de um cliente de forma individualizada e geolocalizada, agregando seus comportamentos e hábitos no tempo – temporal.

Comumente utilizado por pequenas empresas, o hiperlocalismo ganha atualmente espaço nas grandes organizações, sendo fomentada pela evolução tecnológica e as estratégias de máxima aproximação com os clientes.

Dessa forma, os instrumentos e ferramentas tecnológicos atuais possibilitam a identificação praticamente individualizada de clientes e consumidores, ou de um grupo específico deles, geolocalizados.

Hiperlocalismo no Varejo

Considerando hiperlocalismo a exploração de um nicho de mercado muito específico, podemos considerar a possiblidade de abordarmos clientes e consumidores de forma extremamente focada e excessivamente localizada.

O hiperlocalismo tem como objetivos:

– criar contatos geograficamente e relacionamento de negócios o mais próximo possível do perfil, característica, aspecto ou atributo dos clientes e consumidores;

– operar o “marketing um a um” com abordagens personalizadas geograficamente;

– interagir com informações o mais próximo possível da realidade local e necessidades dos clientes e consumidores;

– abordar especificamente o nicho-alvo, cliente-alvo ou consumidor-alvo;

– potencializar a assertividade negocial junto ao nicho-alvo, cliente-alvo ou consumidor-alvo.

Faz-se necessário elaborarmos planos de comunicação, propaganda, publicidade, promoção, marketing e vendas nichados, personalizados, individualizados e particularizados, como também, a um grupo bastante específico de clientes e consumidores, geograficamente.

As ferramentas de propaganda, publicidade e divulgação das redes sociais permitem atualmente um foco bastante preciso geograficamente de seus usuários – os clientes das organizações, o que permite nichar os segmentos.

Normalmente, o hiperlocalismo é utilizado para ações específicas, transitórias e particulares de comunicação, propaganda, publicidade, promoção, marketing e vendas. Contudo, quando o custo-benefício for positivo, pode-se permitir ser mais permanente essa estratégia.

O hiperlocalismo não exclui o marketing de massa, o marketing global e o marketing tradicional, ele é mais uma opção estratégica de abordagem aos clientes e consumidores, focado principalmente na localização geográfica desses.

———————————————————————————————————————–

[1] ROCHA, Liana Vidigal. Mobilidade, convergência e hiperlocalismo no
webjornalismo brasileiro. Teste, v. 20, n. 2, p. 43-65, 2015.

▲—————————————————————————————————————

Prof. Manfrim, L. R.

Compulsivo em Administração (Bacharel). Obcecado em Gestão de Negócios (Especialização). Fanático em Gestão Estratégica (Mestrado). Consultor pertinente, Professor apaixonado, Inovador resiliente e Empreendedor maker.

Explorador de skills em Gestão de Projetos, Pessoas e Educacional, Marketing, Visão Sistêmica, Holística e Conectiva, Inteligência Competitiva, Design de Negócios, Criatividade, Inovação e Empreendedorismo.

Navegador atual nos mares do Banco do Brasil, UDF/Cruzeiro do Sul e Jornal de Brasília. Já cruzou os oceanos do IMESB-SP, Nossa Caixa Nosso Banco (NCNB) e Cia Paulista de Força e Luz (CPFL).

Freelance em atividades com a Microlins SP, Sebrae DF e GDF – Governo do Distrito Federal.

Contato para palestras, conferências, eventos, mentorias e avaliação de pitchs: professor.manfrim@gmail.com.

Linkedin – Prof. Manfrim

Currículo Lattes – Prof. Manfrim

___________________________________________________________________________________________________


Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade