Siga o Jornal de Brasília

Mandando a Letra

Você conhece Nasrudin?

Publicado

em

Publicidade

Literatura com grande profundidade não é minha praia nos estudos das letras. Isso fica para a minha admirável amiga Viviane Faria, professora da área que faz a gente sentir vergonha com sua performance pedagógica sempre eficiente. Agradeço por ter bons amigos mergulhados na literatura, assim, quando preciso, recorro a eles.

A literatura persa

O Irã é a região de onde vem a cultura persa. Na maioria das vezes, somos incentivados a procurar por clássicos segundo a visão ocidental, estimulada pela mídia e pelo senso comum. Com isso, somos levados ao mundo grego, romano, inglês, francês e até russo, entre outros, mas culturas milenares, como a persa, podem passar ao largo.
A cultura persa é rica em suas reflexões profundas. Muitos filmes iranianos fazem parte do circuito cultural de cinema. Dos que mais me impactaram, lembro-me de A maçã. Dos clássicos da literatura, o paralelo de Romeu e Julieta, Laila e Majnum, de Nizami, traz uma profundidade romântica ímpar.

Mas quem é Nasrudin?

Nasrudin é um profeta sufi, uma vertente mística do Islamismo, segundo a qual é importante provar seu amor a Allah para si mesmo e não para os outros, além de amar sem pedir nada em troca. Ele usa de humor e ironia para passar ensinamentos profundos, em contraponto a líderes religiosos que são introspectivos ou sisudos. Vejamos uma de suas histórias:
“Um sujeito procurou Nasrudin para que lhe emprestasse uma corda. – Você não pode levá-la, disse Nasrudin. – Por que não? – Porque está em uso. – Mas posso vê-la bem ali, jogada no chão. – Exatamente: este está sendo seu uso. – Vai ficar em uso dessa maneira por quanto tempo, Mullá? – Até a hora em que eu sinta vontade de emprestá-la, disse Nasrudin.”

Ironia e humor

A ironia é um desses recursos de linguagem que o ser humano utiliza para se comunicar. Nasrudin faz isso com maestria. O fato é que, se você se concentra somente no humor contido na história, pode perder a profundidade que ela contém. A moral da história, e lembre-se de que Nasrudin é um ícone religioso, não vai atingir seu objetivo se você não abrir sua mente nesse sentido. Seria mais simples ele dizer somente “não quero emprestar, e pronto”. Isso mostra que ele quer dizer algo mais.

A ironia é uma maneira de falar com um toque de humor (quando não atinge com escárnio) uma realidade escondida. Muitas vezes, o irônico quer falar não a quem se dirige, mas aos outros que ouvem ao seu redor. Causa risos a quem entende, mas se você estiver afastado do que traz a compreensão, pode ficar boiando. Conheça mais Nasrudin e suas histórias. Você vai rir e aprender com a riqueza dessa literatura. Recomendo.


Você pode gostar
Publicidade