Siga o Jornal de Brasília

Mandando a Letra

Regras são regras

Publicado

em

Publicidade

As normas que temos para grafia e acentuação das palavras não são guias somente para escrevermos os lexemas existentes na língua, mas também nos orientam a fazê-lo quando for necessário aglutinar elementos criando novos vocábulos.

Não se acha tudo no dicionário

É claro que uma palavra que alguém inventou não vai ser encontrada no dicionário. De qualquer forma, mesmo inventada, uma palavra vai ser direcionada pelas mesmas orientações de grafia ao ser acentuada. Sendo assim, se você resolver criar o lexema “caradá”, certamente incluirá esse acento no fim. Trata-se de uma oxítona terminada em a. Simples.

Então, qualquer palavra que seja criada pelos métodos da composição (justaposição ou aglutinação), em que você une palavras ou acrescenta-lhes prefixos ou sufixos, por exemplo, já conta com suas regras prévias estabelecidas pelo Acordo Ortográfico. Nem tudo estará no dicionário, senão seu número de páginas seria infinito, mas pelo significado dos elementos, a palavra, sim, existe. Você diria que reconhece e compreende a palavra pré-elegível? Claro que sim. Mesmo não a encontrando no dicionário, não é?

Base X

Na base X do Acordo de 1990, encontramos a orientação de que as vogais i e u tônicas nas palavras oxítonas e paroxítonas levam acento agudo quando são antecedidas por vogal com que não formam ditongo, desde que não criem sílaba com uma consoante seguinte (exceto se for um s).

Vejamos alguns exemplos disso: as palavras juízes, amiúde, faísca, egoísmo, alaúde, miúdo, raízes, recaída, ruína e ciúme são colocadas como exemplo nessa parte do Acordo Ortográfico para compreendermos a orientação que foi reproduzida no parágrafo anterior.

…mas mesmo assim

Mesmo com essas orientações. Muita gente foi pega de surpresa (por que a surpresa?) quando lidou com as palavras “multiúso” e “reúso”. Não somente as pessoas, mas também o próprio programa de escrita na internet. Ao escrever os exemplos acima sem acento, o Word inseriu a marca gráfica. Já neste parágrafo, ao escrever multiúso com acento, ele retirou. Cuidado!

Ao ouvir tantas explicações extraterrestres, a competente e atenta revisora (companheira de tantos tempos e trabalhos) Gabriela Costa procurou a ABL para orientar com relação à grafia de multiúso. A resposta não poderia ser outra: acento nele.

Nem precisaríamos perguntar, mas, como pra muita gente palavra de autoridade é critério de verdade, lá foi a Gabriela atrás do trunfo, do curinga. Regras são regras. A palavra é uso, sem acento. Mas quando ela se une a outro elemento, deve seguir uma norma preestabelecida. Não tenha medo!


Você pode gostar
Publicidade