Siga o Jornal de Brasília

Mandando a Letra

O Elmo de Tarn

Publicado

em

Publicidade

Você conhece a Mitologia Nórdica? O Elmo de Tarn foi um artefato muito desejado por Odin (ou Wotan) e Loki, por sua capacidade de fazer invisível quem o usava. Os dois aí citados enganaram um anão que detinha o elmo para tomar posse dele. Mas o que isso tem a ver com linguagem, pelo amor de Deus?

O poder de desaparecer

Com o elmo encantado, a pessoa poderia ficar invisível. Isso lhe daria capacidade de estar em um ambiente sem ser notada. Quando não se está na presença de todos, algum incauto pode fazer comentários sobre você, imaginando que não será ouvido.

No conto sobre o elmo, os personagens ficavam ressabiados em falar qualquer coisa sobre o tal anão, com medo de que ele estivesse por perto, invisível, e pudesse ouvir as tais ofensas ou reclamações de suas atitudes. Sendo assim, as pessoas pensavam duas vezes antes de falar de alguém, se soubessem (ou, ao menos, imaginassem) que poderiam ser ouvidas.

Uma capacidade extra

Um outro poder que o elmo dava ao anão era transformá-lo no que quisesse. Ele pronunciava algo como “leão imenso e poderoso”, e uma fumaça o envolvia, mostrando, após ela, justamente a imagem do que houvera pronunciado.

Logicamente, os que estavam próximos dele ficavam possuídos de medo e tinham suas atitudes moderadas. Aliás, foi, de fato, esse poder que fez o anão perder seu elmo. Ele fora desafiado a se transformar numa criatura minúscula. Claro que quis mostrar seu poder e conseguiu fazê-lo. Com isso, ficou vulnerável, foi facilmente atacado e teve seu elmo subtraído de si.

E se todos nós usássemos um elmo desse?

O poder do elmo na cabeça de cada um nos daria somente medo das outras pessoas ou também respeito e consideração? Como seria sua atitude ao conversar em uma roda de amigos ao falar de alguém? Que expressões, palavras, discursos, adjetivos e substantivos poderíamos falar de alguém ausente, se tivéssemos a ideia de que algum dia ela pudesse ouvir o que dissemos?

A comunicação feita indiretamente pode chegar ao interlocutor. O telefone sem fio já é um perigo mesmo quando você não quer falar mal, imagine em momentos em que proferimos julgamentos ruins sobre alguém. Especialmente quando isso é feito somente por inveja, maldade, intriga.

Por outro lado, assim como o elmo, a comunicação pode fazer com que a pessoa tente se mostrar como não é. Muito do que ouvimos alguém falar de si próprio precisa ser compreendido com sabedoria e paciência. Às vezes os leões e sapos não são bem o que se apresentam a nós.


Você pode gostar
Publicidade