fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Mandando a Letra

Critérios de verdade

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Em lógica, disciplina da filosofia, e, por conseguinte, no discurso, há uma forma de tentar provar alguma teoria chamada de critério de verdade. É quando se utiliza um recurso extra para provar que algo é comprovado.

Um argumento sem contestação
Imagine-se em um debate no qual você quer provar uma impressão mas seu interlocutor não a aceita. Nesse caso, se você está numa faculdade, poderia dizer que aquele professor admirado já afirmou tal coisa, ou mesmo que leu no livro daquele teórico basilar. Esse é o critério de verdade da autoridade.

Há outros, como um argumento dedutivo (se todos os brasileiros são fanfarrões e Jorge é brasileiro, logo ele é fanfarrão) ou indutivo (Jorge é brasileiro e é fanfarrão, Pedro é brasileiro e é fanfarrão, Cláudia é brasileira e é fanfarrona, logo, todos os brasileiros são fanfarrões).

Você pode provar vários critérios de verdade. Entre eles, está o dos ditados populares: “Deus ajuda a quem cedo madruga”, por exemplo. Se ele for em latim, então, aí que é mais forte. Vamos falar, portanto, do tal “Dura Lex, Sed Lex”, com modelo bastante atual.

Dura Lex, Sed Lex
O ditado pode ser traduzido como “A lei é dura, mas assim é a lei”. Significa dizer que a regra pode ser difícil de engolir, mas, como faz parte dos estatutos, tem que ser cumprida sem ressalvas ou sem mi-mi-mis.

Um exemplo desse critério de verdade nós vimos, recentemente (antes do carnaval, e não deixe esse intervalo levar o fato ao esquecimento), quando juízes tentavam provar que seu auxílio-moradia estava dentro da lei. Vocês podem achar ruim, mas não temos culpa: assim é a lei.

Ocorre que esse critério pode ser argumentativo, mas a lógica não tem compromisso com a verdade. Imagine se o Jorge não tem direito de ser alguém fora do padrão de fanfarronice, só porque é brasileiro. Assim se condenam situações sem avaliar a pessoa ou o fato em si. E é ótimo para calar pessoas ou um povo inteiro, como é o caso.

Lex Mala, Lex Nulla
De fato, é bom lembrar que os romanos também tinham, entre seus ditados, o “Lex Mala, Lex Nulla”, que, grosso modo, quer dizer “se a lei é ruim, então não poderia ser lei”. A meu ver, aplica-se ao auxílio dos magistrados.

Contra o argumento dos excelentíssimos juízes, muita gente dizia que estava na lei, mas era imoral. Isso porque seu auxílio-moradia é muito maior que a totalidade do salário da maioria dos brasileiros. Com isso, está todo mundo dizendo: tá bom, sabemos que é lei, mas que porcariazinha de lei injusta, corporativista e, por que não?, muito cara de pau. A norma é ruim, deveria ser cancelada, a bem da moral. Cuidado com os critérios de verdade, então.


Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade