fbpx
Siga o Jornal de Brasília

(in) Formação

Coluna Informação #058 – Crônica do jogo embolado

O ex-presidente Tancredo Neves costumava dizer que reunião boa é aquela em que tudo já está combinado antes mesmo dela começar

Rudolfo Lago

Publicado

em

PUBLICIDADE

O ex-presidente Tancredo Neves costumava dizer que reunião boa é aquela em que tudo já está combinado antes mesmo dela começar. Isso vale também para as eleições em petit comité, como a própria eleição no Colégio Eleitoral que ele venceu para por fim à ditadura militar. As eleições que vão acontecer em fevereiro para definir os novos comandos da Câmara e do Senado são semelhantes. Eleições em colégios fechados. Nelas, o jogo também fica bem melhor quando está tudo combinado antes dele começar.

Quando isso não acontece, o jogo se torna imprevisível. No caso mesmo de Tancredo, o jogo do Colégio Eleitoral da ditadura era claramente um jogo de cartas marcadas. A composição era feita para criar um simulacro de democracia, no qual os delegados eram escolhidos para garantir sempre a eleição do general de plantão para o posto. Do qual a oposição participava quase que só como espectadora. Antes mesmo de Tancredo conseguir quebrar por dentro a regra, Ulysses Guimarães já tinha em 1973 se lançado como anticandidato à Presidência justamente para denunciar que, ali, a eleição acontecia de fato antes da reunião começar. O general Ernesto Geisel elegeu-se então com 400 votos contra 75 dados a Ulysses.

Tancredo quebrou a lógica quando conseguiu tirar de dentro do PDS, o partido que apoiava a ditadura, os votos que deveriam ir para o candidato do governo, Paulo Maluf. A dissidência do PDS virou Frente Liberal, que se tornou depois o PFL, hoje DEM. Aliados ao PMDB de Tancredo, a então batizada Aliança Democrática derrotou a ditadura.

No caso das disputas na Câmara e no Senado, quando as coisas acontecem sem tropeços, os diversos grupos negociam os cargos antes. Nessas ocasiões, tudo acontece sem maiores sustos. Toda vez que essa reunião antes da reunião não acontece, o que no final acabou acontecendo surpreendeu todo mundo. Em 2005, o PT, então no poder, permitiu uma disputa entre Luiz Eduardo Greenhalgh (SP) e Virgílio Guimarães (MG). Acabou vencendo a parada o deputado baixo clero Severino Cavalcanti (PP-PE). Em 2015, o mesmo PT de Dilma Rousseff lançou a candidatura de Arlindo Chinaglia (SP) rompendo com o PMDB, partido do vice Michel Temer. Venceu a eleição Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Na última eleição no Senado, a falta de solidez no apoio a Renan Calheiros (PMDB-AL) fez com que Davi Alcolumbre (DEM-AP) acabasse virando presidente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Agora, no Senado já aparecem diversos nomes. Alcolumbre apoia Rodrigo Pacheco (DEM-MG). Mas o MDB quer lançar um nome e retomar o comando. Tem três nomes possíveis na disputa. O senador Otto Alencar (PSD-BA) lança-se como independente.

Na Câmara, o nome do Centrão apoiado pelo governo Arthur Lira (PP-AL) parece sair em vantagem. Mas a parte mais ideológica do mesmo governo fala em apoiar a ministra da Agricultura, Tereza Cristina (DEM-MS). O grupo de Rodrigo Maia divide-se entre Baleia Rossi (PMDB-SP) e Aguinaldo Ribeiro (PP-PB). A esquerda ainda não definiu se sai com candidato próprio ou se apoia alguém.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Enfim, jogo embolado… Reunião que não foi decidida antes de começar. Ninguém costuma saber muito bem qual é o final quando essas disputas viram a crônica do jogo embolado…




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade