Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Blogs e Colunas

XAMAM segue como bom representante da carne de porco na cidade

A casa passou recentemente por uma troca de sócios e uma reformulação, incluindo um novo soft opening, mas Alexandre Freitas continua à frente das panelas

Por Max Cajé 27/10/2023 12h15
Foto: Divulgação

Fiquei tão feliz quando recebi a notícia de que o XAMAM, localizado na 210 Sul, não só continuará operando, mas também expandirá o cardápio. A casa passou recentemente por uma troca de sócios e uma reformulação, incluindo um novo soft opening, mas Alexandre Freitas continua à frente das panelas, entregando o que já conhecemos do estabelecimento: bons ingredientes, valorização da carne de porco e preços honestos.

Confesso que me tornei cliente tardiamente. Levei alguns meses até dar uma chance, primeiro porque não gosto do frisson inicial quando um restaurante chega à cidade, e segundo porque queria ver se haveria consistência na proposta. Para minha surpresa, com o passar do tempo, o Xamam só ganhou pontos, na opinião de amigos que foram antes de mim. Minha impressão positiva começou com os petiscos de Coxinha de Joelho Defumada, a Bomba de Costela, o Torresmo de Rolo e a Linguiça Xamam. Esta última faz parte da charcutaria artesanal do selo e pode ser adquirida no empório, localizado bem na entrada do restaurante.

Mas, de tudo que provei e aprovei por lá, a iniciativa da Porcalhada foi o que de fato destacou o Xamam como uma casa diferenciada para mim. Ela consiste em um rodízio com preparos emblemáticos do cardápio, todos à base de suíno, incluindo os petiscos mencionados acima, além de uma Kafta de porco, Bochecha ao molho madeira, Costelinha e Pernil. O cliente paga R$ 89,90 e pode explorar à vontade as opções oferecidas. Os preparos são servidos com acompanhamentos como feijão tropeiro, pão de alho, mandioca cozida, batata frita, farofa de cebola e Arroz Xamam, também inclusos no valor.

De cara, pode-se pensar que, com tantos preparos ao mesmo tempo, alguns deles acabariam mal executados ou apenas sem destaque. Em nenhuma das vezes que fui isso aconteceu. O que experimentei foi a entrega de um apaixonado pelo que faz, traduzida em receitas que servem como carro-chefe para superar qualquer resistência ou preconceito que alguém possa ter com a produção suína atual no país. E, claro, que nessa retomada a Porcalhada segue firme e forte, todos os domingos.

Sobre a expansão do menu, agora há também pratos com proteína bovina, uma forma de democratizar as opções para quem vai em grupo ou com a família, e que por algum motivo não come carne de porco. Entre as novidades está o Medalhão de Filé com risoto de Alho Poró (R$ 79,90) em porção individual, ou a Carne de Sol acebolada (800g), acompanhada de tropeiro, arroz e mandioca (R$ 164,90) para compartilhar. Agora não há mais desculpa para deixar de ir aproveitar um porco bem feito, mesmo que a companhia tenha restrições.






Você pode gostar