Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Blogs e Colunas

Tachos de cobre e colheres de pau estão liberados para produção de doces artesanais

Produtores podem voltar a usar o utensílio para fabricação de seus produtos e manter viva a tradição mineira após audiência pública na ALMG

Por Analice Nicolau 11/05/2022 1h30
Produtores podem voltar a usar o utensílio para fabricação de seus produtos e manter viva a tradição mineira após audiência pública na ALMG

Uma audiência pública realizada pela Comissão Extraordinária de Turismo e Gastronomia da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), presidida pelo  Deputado Estadual Mauro Tramonte, derrubou a Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) 20, de 2007, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que restringia o uso do tacho de cobre na produção de doces artesanais de Minas Gerais – agora, os produtores podem voltar a usar o utensílio para fabricação de seus produtos e manter viva a tradição mineira.

Estiveram presentes na reunião, e puderam comemorar o feito, produtores de doces artesanais, professores de Gastronomia e Engenharia Química e representantes do segmento. A frente do movimento, Rosilene Campolina, educadora de gastronomia da UNA, brindou o momento dizendo: “Uma das principais atrações de Minas Gerais é a sua cozinha, repleta de valores e tradições. Não é à toa que Belo Horizonte recebeu o título mundial Cidade Criativa da UNESCO pela Gastronomia, e os doces tradicionais, feitos no tacho de cobre e mexido com a colher de pau são parte disso”, disse.

Nova regra

Mesmo com o anúncio da volta do uso do tacho de cobre no ramo alimentício de Minas Gerais, a notícia não é nova, pois a regra já estava em vigor há um ano. Mas o que se altera nessa nova atualização é que, antes, que o tacho de cobre só podia ser utilizado caso fosse revestida, pasmem, com ouro, prata ou estanho, pratica que alterava a cor, a textura e o sabor dos doces.  Agora a nova regra permite o uso do tacho sem o revestimento, mas os produtores deverão apresentar aos fiscais sanitários o processo produtivo do alimento e cumprir os padrões estabelecidos pela Vigilância Sanitária.

Nesse sentido, a professora enfatiza que a educação será um papel fundamental para que a informação chegue até os produtores de doce artesanal. “Agora, é preciso pensar em elaborar cartilhas que decodifiquem a informação sobre a mudança na lei e orientar os produtores para a importância da limpeza e higienização corretas do tacho de cobre”.

Para Gláucio Peron, produtor artesanal de doces em Poços de Caldas, sul de Minas,  a decisão não poderia ter vindo em melhor hora.

“Um povo é o que é devido um arcabouço de cultura, costumes, crenças e tradições. E quer tradição maior do que a culinária local?A Cozinha Mineira é o retrato de Minas Gerais, simples em elementos, mas rica em sabores e experiências. Graças a Deus a justiça foi feita. E uma heresia contra a nossa tradição que foi retratada. Foram 15 anos de proibição que nos foi imposta sem um estudo detalhado. Simplesmente eles achavam que poderia fazer mal a saúde e proibiram. Depois que os estudos foram realizados a exemplo da Dra Amazile Biagioni Maia, é que  mostrou que o cobre não faz mal, aliás muito ao contrário, ele é importante para nós humanos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Foi um típico caso que acontece no Brasil, de se prender um inocente porque ele não tinha dinheiro para pagar um advogado para defendê-lo. Aí é preso por 15 anos, a Justiça vê o erro e resolve soltá-lo. Aí te pergunto, como fica esse indivíduo perante a sociedade? É a mesma questão do tacho de cobre e da colher de pau. Quase um ramo inteiro desapareceu. Muitas doceiras largaram o ofício, outras entraram em depressão impedidas de poder exercer a sua profissão. Agora precisamos correr atrás desse prejuízo gastronômico e econômico!”.

Para isso salienta Peron, está se desenvolvendo uma associação de produtores de doces artesanais que visa unificar o setor e reconhecer e valorizar a Doçaria Mineira, para que esse ofício não se perca com o passar dos anos.

Para o chef Edson Puiati, coordenador da FGM (Frente da Gastronomia Mineira) o momento é oportuno para pleitear junto ao poder público ações para incentivar os pequenos produtores de doces. “A liberação do tacho de cobre e colher de pau, símbolos de nossa cozinha em especial a doçaria, põe o setor em evidência, agora vamos trás de políticas públicas para o nosso setor.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar